O ciberespaço, a projeção digital da consciência coletiva que muitos querem proteger dos absurdos do mundo físico, das tiranias e das interferências políticas, religiosas, raciais ou qualquer outro tipo de interferência. O desejo de uma pessoa e de uma comunidade que apóia sua ideia deu origem a um documento que marcou um marco em sua história. Este documento é a Declaração de Independência do Ciberespaço.

Unão dos documentos mais importantes emitidos pelo cypherpunks e sua comunidade experiente é a Declaração de independência do ciberespaço. O documento foi arquivado na Suíça em 8 de febrero de 1996 por John Perry Barlow, um dos membros fundadores da Electronic Frontier Foundation (EFF).

Este texto foi apresentado em resposta à Lei de telecomunicações dos Estados Unidos. Esta lei foi apresentada no mesmo ano para os fins de "atualizar”A antiga lei de comunicações que data de 1934. No entanto, a nova lei de telecomunicações incentivou a privatização e eu estava olhando regular o nascimento de novos espaços e canais de comunicação. Essas ações tentaram contra a neutralidade da rede e sua evolução.

Em resposta a essas ameaças, não apenas dos Estados Unidos, mas também de um crescente grupo de nações que buscam controlar o ciberespaço, Barlow criou este documento. No mesmo, Barlow exalta a natureza livre e aberta da Internet e de sua comunidade. Além disso, Barlow deixou uma coisa muito clara, o ciberespaço tem sua própria soberania e nenhum governo tem controle sobre ela.

john perry barlow autor da declaração de independência do ciberespaço

Fatos que levaram à declaração

O nascimento de A Internet se tornou a maior revolução tecnológica e comunicacional da humanidade. Mesmo antes de seu nascimento, pensadores e futurologistas viram como a Internet transformaria a sociedade humana. Eles não se enganaram em tais afirmações e previsões. Porém, estruturas de poder, como os governos das potências mundiais, temem qualquer coisa que não possam controlare um meio global de comunicação não controlado, é o pior medo de qualquer governo. Nessa situação, mesmo antes da existência da Internet, os poderosos estavam preparando o terreno para controlar o que seria o ciberespaço.

Os Estados Unidos, na vanguarda da tecnologia, tiveram o caminho mais avançado nesse sentido. A evolução tecnológica o levou a transformar a NSA em seu braço de controle dentro e fora da lei para o ciberespaço. Além disso, em meio à Guerra Fria, diferentes leis e ordens executivas que procuram controlar a tecnologia de criptografia e comunicação Foram as primeiras tentativas de controlar o ciberespaço.

Aliados americanos seguiram o exemplo com medidas iguais e ainda mais restritivas. Por sua vez, nações como a China ou a União Soviética da época criaram medidas do mesmo tipo. Controlar tudo sobre tecnologia da informação e ciberespaço era o objetivo. Tudo isso, independentemente de ter violado os princípios e direitos fundamentais de seus cidadãos.

No final disso, Com o surgimento da Internet e seu amplo uso, as medidas tomadas foram insuficientes. Controlar redes inteiras e milhões de usuários em todo o mundo não foi uma tarefa fácil. Com o fator adicional do surgimento de grupos de pessoas e ativistas em todo o planeta, preocupados em manter a liberdade e a neutralidade online.

Quanto você sabe, cryptonuta?

A Declaração de Independência do Ciberespaço é um documento importante para as liberdades online?

VERDADEIRO!

O documento, embora cedo e mal compreendido na época, é vital para entender que o ciberespaço deve permanecer neutro. Transformar isso em um espaço controlado, onde as nações fazem o que bem entendem, impulsionará o desejo de controle total, o nascimento de tiranias e a redução de liberdades e direitos.

Impacto da Declaração

O documento criado por Barlow deixou claro que O ciberespaço é um local neutro e, devido à sua natureza intangível e coletiva, não deve estar sujeito ao controle de nenhum governo. Barlow expressou dessa maneira a necessidade de afastar o ciberespaço dos sistemas de controle governamental de todas as nações. Mas ao mesmo tempo, ele propôs afastar o ciberespaço dos problemas geopolíticos e econômicos do mundo físico.

Logo após a emissão do comunicado, ele se espalhou pela rede. Por isso, Barlow se tornou uma celebridade, algo que influenciou o rápido reconhecimento de seu trabalho e da Electronic Frontier Foundation. Graças a isso, a comunidade a favor da neutralidade aumentou sua massa social, fortalecendo sua imagem. Alguns anos depois, após os ataques do X Nos Estados Unidos, a busca por controlar a rede mudaria radicalmente.

Diante dos fatos cada vez mais abertos e claros dos lobbies para controlar e limitar o ciberespaço, e com ele os direitos dos cidadãos, a declaração permanece como uma voz forte contra esses ataques. Mas também é um convite para a comunidade se comprometer a se supervisionar e se regular, a fim de construir algo positivo para todos.

Dessa forma, junto com o Manifesto Criptanarquista, a Declaração de Independência do Ciberespaço se tornou um dos documentos de referência para ideologias comprometidas com a neutralidade da rede e a privacidade.

Declaração de independência do ciberespaço

GGovernos do mundo industrial, seus gigantes cansados ​​de carne e aço, venho do ciberespaço, a nova casa da mente. Em nome do futuro, peço que no passado nos deixe em paz. Você não é bem vindo entre nós. Nem você exerce qualquer soberania sobre o lugar onde nos encontramos. Não elegemos nenhum governo, nem pretendemos tê-lo, por isso dirijo-me a vocês sem outra autoridade senão aquela com que sempre fala a liberdade.

Declaro que o espaço social global que estamos construindo é independente por natureza das tiranias que você procura impor a nós. Você não tem o direito moral de nos governar, nem possui métodos para fazer cumprir sua lei que devemos realmente temer.

Os governos obtêm seus justos poderes do consentimento daqueles que são governados. Você não pediu nem recebeu o nosso. Nós também não convidamos você.

Você não nos conhece, nem conhece o nosso mundo. O ciberespaço não está dentro de suas fronteiras. Não pense que você pode construí-lo, como se fosse um projeto de construção pública. Você não pode. É um ato natural que cresce a partir de nossas ações coletivas.

Você não participou de nossa grande conversa coletiva, nem criou a riqueza de nossos mercados. Você não conhece nossa cultura, nossa ética ou os códigos não escritos que já fornecem à nossa sociedade mais ordem do que o que poderia ser obtido por qualquer uma de suas imposições.

Você proclama que há problemas entre nós que precisa resolver. Você usa isso como uma desculpa para invadir nossos limites. Muitos desses problemas não existem. Onde houver conflitos reais, erros, nós os identificaremos e resolveremos por nossos próprios meios. Estamos criando nosso próprio contrato social. Essa autoridade será criada de acordo com as condições do nosso mundo, não a sua. Nosso mundo é diferente. O ciberespaço é composto de transações, relacionamentos e pensamento em si, que se espalham como uma onda silenciosa na web de nossas comunicações. Nosso mundo está ao mesmo tempo em todo lugar e lugar nenhum, mas não é onde os corpos vivem.

Estamos criando um mundo no qual todos possam entrar, sem privilégios ou preconceitos devido à raça, poder econômico, força militar ou local de nascimento. Estamos criando um mundo em que qualquer pessoa, em qualquer lugar, possa expressar suas crenças, não importa quão únicas sejam, sem medo de ser coagida ao silêncio ou à conformidade.

Seus conceitos legais de propriedade, expressão, identidade, movimento e contexto não se aplicam a nós. Eles são baseados na matéria.

Não há problema aqui. Nossas identidades não têm corpo; portanto, diferentemente de você, não podemos obter ordem por coerção física.

Acreditamos que nossa autoridade emanará da moralidade, do interesse próprio progressivo e do bem comum. Nossas identidades podem ser distribuídas por várias jurisdições. A única lei que todas as nossas culturas reconheceriam é a Regra de Ouro. Esperamos ansiosamente desenvolver nossas soluções específicas sobre essa base. Mas não podemos aceitar as soluções que você está tentando impor. Hoje, na América, você criou uma lei, a Lei de Reforma das Telecomunicações, que repudia sua própria Constituição e insulta os sonhos de Jefferson, Washington, Mill, Madison, DeToqueville e Brandeis. Esses sonhos devem renascer em nós agora.

Você tem medo de seus próprios filhos, pois eles são nativos em um mundo onde você sempre será imigrante. Ao recear, confia à sua burocracia responsabilidades parentais que não pode ser covarde. Em nosso mundo, todos os sentimentos e expressões da humanidade, do mais vil ao mais angélico, fazem parte de um único todo, a conversa global de bits. Não podemos separar o ar que sufoca daquele em que as asas batem.

Na China, Alemanha, França, Rússia, Cingapura, Itália e Estados Unidos, você está tentando evitar o vírus da liberdade, estabelecendo postos de guarda nas fronteiras do ciberespaço. Eles podem impedir o contágio por um curto período de tempo, mas não funcionarão em um mundo que em breve será coberto pela mídia transmitida por bits.

Suas indústrias de informação cada vez mais obsoletas se perpetuariam propondo leis, nos Estados Unidos e em outros lugares, que reivindicam a propriedade da palavra em todo o mundo. Essas leis declarariam que as idéias são outro produto industrial, menos nobre que o ferro enferrujado. Em nosso mundo, tudo o que a mente humana pode criar pode ser reproduzido e distribuído infinitamente, sem nenhum custo. A transferência global de pensamento não precisa mais ser realizada por suas fábricas. Essas medidas cada vez mais hostis e colonialistas nos colocam na mesma situação em que estavam aqueles amantes da liberdade e da autodeterminação que tiveram que lutar contra a autoridade de um poder distante e ignorante.

Devemos declarar nossos "eus" virtuais imunes à sua soberania, embora continuemos a consentir com seu poder sobre nossos corpos. Vamos nos espalhar por todo o planeta para que ninguém possa aprisionar nossos pensamentos.

Criaremos uma civilização da mente no ciberespaço. Que seja mais humano e bonito do que o mundo que seus governos criaram antes.

Davos, Suíça, até 8 de fevereiro de 1996

John Perry Barlow