A escolha de um representante parlamentar em uma eleição faz parte do processo democrático. Mas esse formato, marcado como jovem em algumas nações, poderia ser atualizado com a realização de eleições com tecnologia blockchain.

Eleições 2019: votação blockchain

Imagine poder votar da sua sala de estar ou de qualquer outro ponto do planeta além do seu sofá. Imagine não ter que comparecer à chamada como membro obrigatório de uma assembleia de voto. No Bit2me, imaginamos isso e muito mais, por quê? Bem, porque já trabalhamos com tecnologia Blockchain como o Bitcoin há algum tempo e sabemos que ainda pode trazer muitas inovações.

Preparamos este artigo para projetar as vantagens que o uso do blockchain teria em um sistema de votação eleitoral. Para isso, analisamos superficialmente os dados oferecidos pelo Diário Oficial do Estado e por alguns meios de comunicação. Depois disso, tentamos responder à pergunta: O que poderia melhorar a tecnologia do blockchain em alguns pontos de um processo eleitoral?

Uma eleição tem quatro fases fundamentais: convocação, campanha, votação e tomada de poder. É durante a campanha e a votação que alguns eleições com tecnologia blockchain eles poderiam ter uma série de vantagens sobre o sistema atual.

Antes de continuar, queremos esclarecer que quando nos referimos a tecnologia blockchain, Estamos a falar da aplicação coordenada de várias tecnologias para criar redes de dados distribuídas onde a informação pode ser pública e sem capacidade de alteração. Referimo-nos principalmente a tecnologias de transmissão digital de dados, criptografia usando sistemas de criptografia fortes e protocolos de consenso para a validação de informações.

Vantagens de um método de votação Blockchain

Usar um blockchain para realizar um processo eleitoral ou de votação envolve uma série de melhorias técnicas. Isso tem um impacto no sistema sendo:

  • mais transparente: Todos podem verificar os resultados sem depender de terceiros.
  • Minimizar o erros Humanos: O processo de contagem requer várias pessoas para evitar cometê-los. Com o blockchain, o processo seria muito mais eficiente.
  • Economia en custar: Se algo está claro, é que a mobilização das jornadas eleitorais e todo o material utilizado exigem um custo altíssimo, algo que poderia ser evitado com a tecnologia blockchain.
  • Verificação de voto: Graças à transparência da tecnologia blockchain, verificar se seu voto foi contado corretamente seria extremamente fácil. E não só isso, mas também seria muito rápido verificar.
  • Evite falsificações: A tecnologia Blockchain avançou muito no campo da assinatura digital para a autenticação correta da identidade. Forjar uma assinatura é muito mais difícil do que com o sistema atual.
  • Aumente a segurança do processo: Todas as vantagens acima têm um impacto no aumento da segurança deste processo bem acima dos padrões atuais.

Gasto público

As eleições de 28 de abril vai custar cerca de 138 milhões de euros. Essas despesas se destinam a pagar:

  • voto pelo correio
  • envio de propaganda eleitoral
  • as forças do estado que garantem a segurança durante o dia das eleições
  • a empresa comunicando a contagem.

A essa despesa deve ser adicionado o subsídio público aos partidos políticos para o desenvolvimento de suas atividades e o material utilizado para o desenvolvimento da jornada eleitoral. Quase 200 milhões de euros que não são usados ​​de forma mais produtiva.

Representação parlamentar

Assim que as eleições terminarem, o BOE estabelece que cada formação com representação parlamentar receberá:

  • 21.167,64€ para cada assento obtida no Congresso dos Deputados ou no Senado.
  • Concessão de euros 0,81 para cada um dos votos obtidos para cada candidatura ao Congresso, um de cujos membros, pelo menos, teria obtido uma cadeira de deputado.
  • Concessão de 0,32 euros por cada um dos votos obtido por cada candidato que obteve um assento de senador.

E, além disso, o “O Estado subsidiará aos partidos, federações, coligações ou grupos, as despesas eleitorais originadas pelo envio direto e pessoal aos eleitores de envelopes e boletins eleitorais ou de propaganda e publicidade eleitoral”:

  • Será pago 0,21 euros por eleitor em cada um dos círculos eleitorais em que submeteu lista ao Congresso dos Deputados e ao Senado, desde que a candidatura de referência tenha obtido o número de Deputados ou Senadores ou o número de votos necessários para constituir um Grupo Parlamentar numa ou na outra Câmara.

Impacto Material

Embora desde as esferas mais altas insistam que a mudança climática é uma decisão política, não é. A mudança climática não é votada, nem ao votar um ou outro desaparecerá durante uma legislatura. Até hoje, votar em representantes que não hesitam em impactar o planeta para enviar spam para sua caixa de correio não parece a solução mais responsável. E é que a sobrevivência não entende ideologias.

Cédulas

Suponha que o número total de eleitores seja 40 milhões. Em um estado tradicionalmente bipartidário, isso significaria ter pelo menos 80 milhões de cédulas e 40 milhões de envelopes para realizar o processo de votação na câmara baixa. Como era de se esperar, há outros partidos que aspiram a tomar o poder do parlamento para divulgar suas ideias na forma de leis. Digamos que sejam 4, isso significa imprimir 160 milhões de cédulas, mas sabemos que na verdade existem mais de quatro.

A isso devem ser acrescentadas as cédulas da câmara alta ou do senado. Um por pessoa, 40 milhões a mais, pelo menos. E, claro, para manter o "voto secreto", mais 40 milhões de envelopes para ele.

Spam eleitoral

As formações políticas estão cientes de que nas seções eleitorais há farto material para papel de parede dos sanduíches por toda a galáxia. Apesar disso, realizam uma atividade a que chamam "caixa de correio ", mas preferimos chamá-lo de SPAM. Com isso, mandam para você mais uma via da cédula já preenchida do Senado e mais uma via judicial.

Então, 80 milhões de cédulas a mais por partido teriam que ser adicionadas às casas dos eleitores. Mas no exemplo contamos quatro formações políticas, então seriam 320 milhões a mais.

Devemos agradecer às formações que neste processo priorizam a saúde do planeta. Como por exemplo, aqueles que se lembram de embalar seu SPAM em “plástico bom”, para que saibamos quem são eles que convidam no envenenamento do mar.

Área de votação: medir a propagação do papel

As medidas de uma votação na câmara baixa são de aproximadamente 10,4 x 22,2 centímetros. A superfície coberta por esta cédula é de 230,88 cm². Por outro lado, as cédulas da câmara alta são maiores. Chegam ao formato DIN A4, ou seja, 21 x 29,7 cm e sua área superficial é de 623,7 cm².

Spread de papel

Sabendo a área que cada voto ocupa, podemos ter uma ideia de quanto cada partido cobriria por milhão de habitantes se for verdade que existe:

  • 1 milhão de votos na câmara baixa nas assembleias de voto
  • 1 milhão de votações internas enviadas por e-mail de spam
  • 1 milhão de votos da câmara alta enviados por e-mail de spam
  • 1 milhão de cédulas eleitorais na assembleia de voto, dividido pelo número de formações políticas.

A área correspondida pelas cédulas eleitorais resultaria da multiplicação de 2 milhões por 230,88 cm². O que resultaria em 461,76 milhões de cm², que quando convertido para m² seria cerca de 46176 m². Para se ter uma ideia, o campo de jogo do FC. Barcelona mede 7140 m², quase sete vezes menos.
A área compensada pelas cédulas da Câmara alta seria variável, mas se houvesse uma única formação política seria necessário multiplicar 2 milhões por 623,7 cm². Isso resultaria em 1247,4 milhões de cm², que quando convertido em m2 seria 124740 m². Opa! cerca de 17 campos de futebol.

Portanto, uma formação política e um milhão de eleitores, dariam ao papel 24 campos de futebol. Se houvesse 40 milhões de eleitores, falaríamos sobre 960 campos de futebol por formação política. Cinco formações cobririam toda a área do aeroporto Barajas Adolfo Suárez de Madrid.

Anonimato / votação anônima

Atualmente os sistemas de votação não podem garantir o anonimato completo do voto. Existem vulnerabilidades conhecidas em sistemas para fazer isso. Os governos sabem disso, mas preferiram tomar apenas medidas para mitigar isso, ou calaram-se para usá-las a favor.

Em qualquer caso, outro ponto a favor da votação em blockchain é a capacidade de respeitar o princípio do sigilo de voto. Com a tecnologia blockchain, podemos dispensar cadernos eleitorais e atacar vulnerabilidades que violam este princípio.

Outro ponto a favor do blockchain neste sentido é que nosso voto pode ser lançado sem a necessidade de relacionar nossos dados. Não há necessidade de fornecer nomes, identidade ou qualquer informação pessoal. A autenticação é protegida por criptografia forte e uma infraestrutura de chave pública. Tudo isso enquanto nossos dados são protegidos e garantidos por criptografia forte e uma cadeia de dados imutável.

Este esquema de anonimato visa evitar situações de compra de votos e outras situações de coerção. No entanto, este é o maior desafio por trás da tecnologia de votação usando blockchain. Pois bem, o seu correto funcionamento depende da separação e anonimato dos dados de votação, do sistema de autenticação. Um desafio a vencer e no qual trabalhamos muito, como é o caso dos sistemas de autenticação soberana.

Poupança e descentralização

Os sistemas eleitorais atuais são baseados em tecnologias proprietárias que têm um custo enorme tanto em licenças como na manutenção dos sistemas e atualizações. Neste ponto, nos perguntamos: por que um ato público como o voto é feito por empresas transnacionais privadas? Por que não criar uma estrutura de hardware e software aberta, pública e auditável?

Embora possa parecer o contrário, um sistema aberto não leva apenas a uma grande melhoria nos sistemas eleitorais, sua confiança e segurança. Em vez disso, permite uma grande economia de dinheiro público e uma melhoria no design desses sistemas.

Confiança

A confiabilidade do processo eleitoral, em sua fase de votação, gerou acusações cruzadas de manipulação em diversas ocasiões. Isso aconteceu em países com uma democracia emergente e em países como Estados Unidos. É nesse momento que é possível Falha bizantina no sistema. O eleitor não consegue distinguir se houve um erro ou não, por isso não é possível chegar a um consenso a respeito e surgem dúvidas sobre o sistema de votação. Somente a simpatia por uma ou outra força política pode levar à distorção na detecção dessas falhas.

Num postagem de opinião de Ars Technica, é garantido que as eleições baseadas em blockchain resultariam em desastre para o sistema democrático. O post elabora uma crítica a outro artigo da New York Times qualificado É hora da votação online. Timothy B. Lee sugere que “Um sistema de votação com blockchain colocaria em risco a integridade do sistema eleitoral e a fé do eleitorado nos resultados do voto". O autor sustenta que este sistema também não melhoraria a interferência das formações no processo sob alegações de manipulação. Embora isso possa ser verdade, está afastando o foco de problemas solucionáveis ​​com tecnologia. Afinal, o voto não é uma questão de fé, é uma questão de confiança e transparência.

Do contrário, se há algo que põe em risco a democracia, é esse tipo de insinuação. Seja por ter incorrido neles e por preferir não colocar uma solução ou por induzir o medo com a intenção de bloquear qualquer melhoria. A experimentação é a chave para banir as fobias de progresso.

Eleições e Blockchain: um longo caminho a percorrer

A implementação de um mecanismo como o blockchain não é feita em um momento se não houver infraestrutura instalada. Essa circunstância tem maior peso quando esse sistema deve substituir um mecanismo ativo de uso público. As principais barreiras à entrada seriam, portanto, a falta de infraestrutura inicial e de educação do cidadão para seu uso adequado.

Os mecanismos de implementação de um sistema como este devem operar progressivamente para não falhar. Além disso, deve-se ter em mente que um sistema inovador tende apenas a melhorar partes de um problema. E, portanto, não é garantia de ser a solução definitiva para a totalidade do caso. Ninguém deve esperar milagres, mas se no final o que já existe for melhorado de alguma forma, vale a pena tentar.

Seria injusto e irresponsável dizer que um formato de eleição baseado em blockchain não acarretaria nenhum risco. O sistema continuaria apresentando vulnerabilidades. Y nem poderia garantir a honestidade e eficiência dos candidatos escolhidos. Experiência é necessária para poder observar os pontos fracos de uma estrutura baseada na inovação. Por causa disso, o benefício não seria observável no curto prazo. Embora ao longo dos anos, quem sabe? E se, em vez de votar em candidatos, você pudesse votar periodicamente em propostas com smart contracts? Imagine por um momento que o destino de um país é decidido todos os dias por seus habitantes, como acontece no BIP Bitcoin.

É claro que nada é perfeito. Mas uma democracia administrada com blockchain poderia melhorar a capacidade de tomada de decisão sobre o que é mais importante para a população.

A cidade de Zug na Suíça

Nem tudo está usando sua imaginação. Há empresas que já exploram esse terreno há algum tempo. Além disso, há cidades que já experimentaram essa experiência. Zug é uma pequena cidade alpina na Suíça. É famosa por hospedar a maior concentração de empresas de desenvolvimento em Ethereum. Em julho de 2018, um primeiro experimento foi feito em um voto municipal desta localidade. Deve ser dito que Suíça É um país bastante aberto ao recurso a referendo público, isto é, a submeter algumas decisões ao escrutínio cidadão.

Talvez seja por isso que o experimento em Zug foi um sucesso total. E é que a cena política nunca deve ter medo de colocar em votação o que a cidadania pede. Ao fim e ao cabo como as constituições geralmente promulgam, o poder emana do povo.