Cosmos (ATOM) é um projeto interessante que visa construir um sistema de interoperabilidade de blockchain descentralizado, rápido, seguro e barato para expandir as capacidades desta tecnologia. 

Símbolo
ATOM
Logótipo
Cosmos Logo
Algoritmo
-
Consenso
Tendermint (PoS)

Eo projeto Cosmos (ATOM), é um projeto focado em fornecer uma infraestrutura capaz de unir diversos blockchains independentes e torná-los interoperáveis ​​entre si. A intenção com isso é permitir que disse blockchains, o valor e as aplicações neles contidas, podem se comunicar por meio de um padrão que garante essas operações e que podem ser realizadas rapidamente.

COMPRAR COSMOS (ATOM) NA BIT2ME

A origem do Cosmos

A história do Cosmos começou em 26 de junho de 2016, quando seu criador Jae kwon, criou o white paper para um projeto chamado Gnuclear. A ideia da Gnuclear era criar um sistema de blockchain interoperável totalmente descentralizado, usando o Protocolo de consenso Tendermint para tais fins. A ideia inicial foi evoluindo aos poucos com a ajuda da comunidade, até 5 de agosto de 2016, o projeto passou a se chamar Cosmos.

A partir desse momento, Kwon começou a buscar mecanismos que serviriam para financiar sua ideia. Foi assim, a partir de 1º de janeiro de 2017, passou a fazer uma venda privada de tokens para obter financiamento. No total, 12 milhões de tokens ATOM foram vendidos a um preço de $ 0,025 por ATOM, para um total de $ 300.000 arrecadados. Paralelamente, outra venda privada de tokens também foi realizada a um custo de $ 0,08 USD por ATOM, com um total de 160.293.050 tokens vendidos e uma coleção total de $ 1.329.472 no total.

Após essa experiência, em 4 de junho de 2017, um ICO (oferta inicial de moeda), para vender um total de 160.293.050 tokens ATOM, com um preço de 0,1 USD por token, e com um total de 16.029.305 USD arrecadados com a referida venda. Nesse ponto, o desenvolvimento do ATOM começaria a trilhar seu caminho para se tornar uma realidade.

O bloco de gênese e start-up da rede

O primeiro teste da tecnologia ATOM foi realizado em 5 de setembro de 2017, quando o sistema de consenso Tendermint da rede foi testado. Neste teste, eles descobriram fortes anomalias que levaram a equipe a revisar minuciosamente o funcionamento do sistema, e levou cerca de um ano de trabalho para ser totalmente resolvido.

Não foi até 22 de abril de 2019, quando a mainnet Cosmos finalmente seria lançada e o trabalho real de sua rede começaria a minerar o primeiro bloco (bloco de gênese) da mesma.

O lançamento foi seguido pelo distribuição de tokens prometida pela OIC e pela venda privada de criptomoedas. Os contribuintes para a primeira venda privada (por $ 300) receberam um total de 11.809.947,91 tokens ATOM, por seu compromisso e firme apoio ao projeto tão cedo. Contribuintes para a segunda venda privada (por $ 1.329.472) receberam um total de 16.856.718,97 tokens ATOM. E, finalmente, os contribuintes públicos receberam um total de 23.619.895,81 tokens ATOM.

Além disso, foi criado um fundo de P&D para apoiar o projeto Cosmos e seus desenvolvedores com um total de 10% de toda a alocação inicial de tokens do bloco de gênese da rede. Isso é um total de 23.619.895,81 tokens ATOM alocados para essa finalidade.

Além disso, um total de 3.054.207,32 ATOMs atribuídos a 8 endereços foram atribuídos, um total de 288.500 ATOMs atribuídos a 53 endereços e, finalmente, 20.277.188,49 ATOMs divididos entre dois endereços de várias assinaturas diferentes. No total, 236.198.958,12 tokens ATOM foram alocados no bloco de gênese para 984 contas diferentes. O registro completo dos endereços e valores fica no GitHub do projeto e você pode ver neste link.

Arquitetura e operação do Cosmos

Como já discutimos, o Cosmos é na verdade uma rede descentralizada de blockchains paralelos independentes. Uma rede, onde cada blockchain é alimentado por seu próprio algoritmo de consenso e interconectado pela rede Cosmos. Isso pode ser complexo de ver, mas a realidade é que existe toda uma estrutura de trabalho que torna isso possível, e entre esses atores podemos citar:

O Hub Cosmos, o centro do Cosmos

O funcionamento do Cosmos conta com uma estrutura conhecida como .. O Cosmos Hub, é na verdade um livro-razão que mantém a história principal de toda a rede Cosmos. Em palavras mais simples, é um blockchain que armazena as informações de tudo o que acontece no Cosmos e as ações que são realizadas entre os diferentes atores que estão interligados à sua rede.

Por exemplo, se dois blockchains interconectados ao Cosmos compartilham certos eventos, esses eventos serão registrados no Hub central do Cosmos testemunhando o que aconteceu. Ao mesmo tempo, os resultados dessas ações serão gravados no respectivo blockchain com o qual eles interagiram. Dessa forma, a evidência da interação é registrada de tal forma que não há como negá-la. Isso é muito útil, pois este tipo de estrutura torna muito fácil para, por exemplo, DApps (aplicativos descentralizados) de diferentes blockchains podem se comunicar entre si.

Em qualquer caso, o Hub é uma história de eventos entre os participantes da rede Cosmos. Essa história é possível graças à existência da Protocolo de comunicação Cosmos blockchain (IBC para comunicação Inter Blockchain). O trabalho desse protocolo é fornecer um conector padrão que permite que os blockchains do Cosmos enviem mensagens uns aos outros e compartilhem informações, mantendo um registro completo de tais mensagens dentro do hub.

Desta forma é possível possibilitar trocas de forma totalmente descentralizada entre todos os blockchains. O escopo desta ideia é tão amplo que Cosmos é conhecido no mundo criptográfico como “a Internet do Blockchain"

Rede estelar

As áreas da rede Cosmos

Uma zona na rede Cosmos é um blockchain independente que troca mensagens IBC com o Hub. Do ponto de vista do hub, uma zona é uma conta dinâmica de associação de vários ativos com várias assinaturas que pode enviar e receber tokens usando pacotes IBC. Como uma conta de criptomoeda, uma zona não pode transferir mais tokens do que tem, mas pode receber tokens de outras pessoas que os possuem. Uma zona pode ser designada como uma "fonte" de um ou mais tipos de tokens, dando a ela o poder de aumentar o suprimento de tokens.

Para evitar ataques de gasto duplo nas zonas, o protocolo de consenso do Cosmos, limita as ações possíveis dentro dessas zonas e do Hub, especialmente se houver zonas com um consenso comprometido de alguma forma.

Tendermint, um algoritmo de alta velocidade

Obviamente, a amplitude do que o Cosmos pode fazer requer um algoritmo de consenso de alta velocidade capaz de lidar com o fluxo de informações entre diferentes blocos de blocos. Para conseguir isso, o Cosmos faz uso de um algoritmo de Prova de participação (PoS) Pensando em velocidade e alta escalabilidade, o algoritmo Tendermint.

Tendermint, é um algoritmo criado pelo próprio Jae Kwon em 2014, com a intenção de apresentar um algoritmo de alta velocidade e segurança. Na verdade, o referido algoritmo é projetado para ser uma plataforma BFT SMR (replicação de máquina de estado) alto desempenho que replica serviços que podem então ser simulados como máquinas de estado determinísticas e não aleatórias. Isso basicamente significa que o Tendermint Core foi construído para copiar servidores especializados (ou estados). Isso é feito por meio de uma máquina especial que copia os servidores e os distribui pela rede global Cosmos. Este processo permite que os engenheiros de software do Tendermint Core reproduzam o blockchain em máquinas de "estado" em todo o mundo.

Resultado? Usar o Tendermint no Cosmos é vital, porque a interconexão de vários blockchains na mesma infraestrutura leva as demandas de escalabilidade a um novo nível, e a estrutura BFT SMR do Tendermint é perfeita neste ponto. Um bom exemplo disso é que os testes realizados no Tendermint permitiram atingir mais de 10.000 transações por segundo (10.000 TPS) e sua escalabilidade cresce com o aumento do número de seus nós. Daí, projetos como Cosmos, Kava, Terra, BAND Protocol, Aragon, Hyperledger, Ethermint, Oasis Labs, IRISNet e até Libra do Facebook (agora conhecido como Diem), entre outros projetos, use o Tendermint para oferecer alto desempenho em sua rede P2P.

ATOM, um token para a plataforma

Por outro lado, o Cosmos também tem uma criptomoeda ou token nativo chamado ATOM. Esse token tem o papel fundamental de criar um ecossistema econômico que incentive o trabalho que sustente toda a rede. Em primeiro lugar, a rede Cosmos depende do trabalho de 100 validadores, que têm a responsabilidade de utilizar o protocolo Tendermint para realizar o processo de geração e validação de blocos dentro da rede. Este limite é um limite inicial que pode ser alterado pela governança do protocolo a qualquer momento.

O trabalho dos validadores em qualquer caso deve ser gratificante e, como na maioria dos blockchains, essa recompensa é dada em tokens nativos, neste caso, tokens ATOM. Mas essa seleção de validadores respeita as regras de qualquer protocolo de consenso de PoS, portanto, para ser eleito, você deve ter uma participação significativa para poder participar. Isso significa que os validadores devem armazenar e bloquear os saldos no ATOM para obter tal participação.

Junto com isso, o token ATOM serve como mecanismo para evitar o uso indevido da rede, ou seja, para desencorajar o spam, bem como para acessar serviços de rede e como um sistema de governança dentro da rede, uma vez que os detentores de tokens ATOM podem votar em proporção ao seu piqueteamento no ATOM.

Por outro lado, a emissão de tokens ATOM é ilimitada, e a geração dos mesmos pelos validadores é decidida dinamicamente pela rede de acordo com as diretrizes de governança do protocolo. Atualmente, as recompensas do bloco são calculadas em 7-20% do desempenho anual do fornecimento ATOM total. Além disso, as taxas de transação são adicionadas, que somam a totalidade das recompensas para os validadores. A geração de blocos na rede acontece a cada 5-6 segundos, sendo uma das redes de blockchain mais rápidas neste ecossistema.

Fotons (fótons), um segundo token para a plataforma

Além dos tokens ATOM, também existem fótons (fótons) no Cosmos. Trata-se de um tipo de token com muito mais liquidez e velocidade do que o ATOM. Este segundo token é usado para realizar transações entre todas as zonas que estão conectadas ao hub.

Os tokens ATOM são projetados para serem vinculados ao hub. Isso significa que eles não são ideais para pagar taxas ou se mudar para outras áreas do ecossistema Cosmos. Esta é a razão pela qual os fótons (fótons) foram criados para superar essas limitações. A existência dos "fótons" do Cosmos pode ser vista como uma espécie de Gas (como o que existe no Ethereum, só que os fótons são tokens reais) que serve para o pagamento de comissões e outras tarefas de interoperabilidade de blockchain dentro do Cosmos.

Protocolo de Comunicação Blockchain (IBC)

O protocolo Cosmos IBC foi criado para resolver um dos desafios mais importantes que os sistemas blockchain enfrentam hoje: a falta de comunicação e a troca de dados entre as redes.

A interoperabilidade e a capacidade de se comunicar com protocolos de blockchain internos e externos são essenciais para a aplicação generalizada do mundo real e a adoção de tecnologia de blockchain e criptomoedas. Imagine uma rede telefônica que só pudesse se comunicar com participantes em sua área geográfica imediata. Simplesmente não funcionará. Cosmos IBC, é um protocolo de mensagens semelhante ao TCP / IP construído para compartilhar informações e dados, que finalmente permite a comunicação de vários blockchains entre si.

Desta forma, o Cosmos IBC, por exemplo, pode ver que a interação que um usuário A realiza no Bitcoin, pode ter repercussões com um usuário B dentro do Ethereum, e tudo isso, pois o Cosmos pode criar uma ponte de comunicação que permite analisar as informações entre ambas as chains e fazem com que os DApps ou aplicativos que estão realizando as operações entre as duas chains, reajam de acordo com as operações de forma totalmente integrada.

Características da Rede Cosmos

Dentre as principais características que podemos identificar na Rede Cosmos, podemos citar:

Interoperabilidade

Toda a rede foi projetada pensando em facilitar a interoperabilidade do Cosmos com outras blockchains, e dessas blockchains como um todo. Com Zones, o Cosmos pode criar pontes que comunicam um blockchain específico com o outro conjunto de zonas conectadas à rede e, assim, aumentar seu estágio de interoperabilidade.

Assim, por exemplo, uma Zona com uma ligação à rede Ethereum, poderia usar o Cosmos para se ligar a uma Zona ligada à rede EOS, para trocar tokens, operações e mais usando Cosmos com uma ponte de interligação entre eles.

Escalável

O uso do Tendermint no Cosmos deixa muito claro que este projeto pode ser dimensionado de maneiras que outros projetos não podem. Na verdade, a escalabilidade do Tendermint é indefinida, pois quanto maior o número de zonas e validadores dentro deles, maior a capacidade de escala da rede.

Descentralizado

Cosmos é construído com base nos princípios de criptografia, economia sólida, teoria do consenso, transparência e responsabilidade para servir como uma nova base para nossos sistemas financeiros futuros.

Você pode usar o Cosmos como um teste para um novo design de criptomoeda, uma atualização para uma criptomoeda existente, como um meio para troca descentralizada ou como uma plataforma para contratos inteligentes escalonáveis.

O Cosmos não é apenas um livro-razão distribuído e o Cosmos Hub não é o centro do seu universo. Qualquer pessoa pode usar este protocolo para criar seu próprio Hub para competir com o Cosmos em um mercado livre para blockchains.

COMPRAR COSMOS (ATOM) NA BIT2ME

Cosmos SDK, criando aplicativos no Cosmos

Outra ferramenta importante no Cosmos é seu SDK ou ambiente de desenvolvimento. Este SDK é uma construção inteiramente baseada em software livre e pode ser usado para criar infraestrutura e plataformas baseadas no Cosmos Hub.

Assim, o Cosmos SDK permite que os desenvolvedores usem não apenas módulos pré-construídos, mas também seus próprios módulos personalizados, permitindo-lhes testar seu produto mínimo viável antes de lançar sua própria rede principal pública (protocolos de blockchain que concluíram o teste e estão prontos para uso público) .

Além disso, o Cosmos SDK permite que os usuários conectem seu próprio blockchain à rede Cosmos via IBC, aumentando a liquidez e a adoção do usuário. Exemplos de usos do Cosmos SDK podem ser vistos em redes como Kava, Terra, IRISNet e Agoric.

Conclusão

Cosmos é uma ótima ideia, um projeto que pode permitir uma nova série de aplicações dentro do ecossistema blockchain. A ideia de abrir vias de informação e comunicação entre os diferentes projetos de blockchain é algo que faz com que muitos desenvolvedores do mundo da criptografia trabalhem 100% hoje. Não em vão, projetos como Polkadot o O gráfico Eles se concentraram nesse tipo de funcionalidade, com vários graus de sucesso.

A essa altura, fica claro que o outro grande passo dentro da tecnologia blockchain será a interoperabilidade, que, junto com a escalabilidade, será um dos pilares fundamentais da expansão e massificação dessa tecnologia em todo o mundo.

Links de interesse

Site Oficial

Cosmos - ATOM

Whitepaper

Cosmos - ATOM

Twitter oficial

Cosmos - ATOM

GitHub oficial

Cosmos - ATOM

Tópico do Reddit

Cosmos - ATOM

Fórum Bitcointalk

Cosmos - ATOM

Block Explorer

Cosmos - ATOM