O DCEP é o maior projeto de moeda digital do banco central do mundo, ou CBDC, e faz parte dos planos da China para expandir sua influência econômica, comercial e política em todo o mundo. Conheça os detalhes desse projeto faraônico de moeda digital, as vantagens e perigos que ele representa. 

SCertamente você já ouviu falar durante todo este ano sobre o DCEP ou cryptoyuan, um dos CBDCs, ou moeda digital que usa tecnologia blockchain, mais famoso.

Com ele, a China busca criar um novo sistema econômico para sua nação e para o mundo. Mas o que é DCEP e como ele realmente funciona? Você usa blockchain ou é apenas uma forma de chamar a atenção do mundo? Bem, na Bit2Me Academy, fizemos uma pesquisa aprofundada sobre este assunto. Como resultado, trazemos a você tudo o que se sabe até agora sobre o novo e faraônico projeto na China.

O que é o DCEP?

Quando falamos em DCEP, estamos falando de um CBDC, uma moeda digital nacional para a China, cujo nome completo é Digital Currency Electronic Payment ou DCEP.

Este é o projeto de transformação econômica da China que visa criar uma nova moeda digital para sua nação. Uma moeda baseada na tecnologia blockchain e suas bases criptográficas. Além disso, a referida moeda será movimentada e emitida pelo banco estadual Banco Popular da China (PboC).

O objetivo do DCEP é substituir a emissão do yuan por esta moeda a nível nacional e ter âmbito internacional. Isso na esperança de que se torne uma moeda global como o dólar americano. Tudo isso apoiado pela natureza digital da moeda e do blockchain. Dois pontos que garantem funcionalidades que a moeda fiduciária e a moeda digital atual não conseguem alcançar. Pretende estar no auge da sua enorme expansão económica e responder às necessidades que vão surgindo no futuro.

Origem do DCEP

O início do desenvolvimento do DCEP remonta ao ano de 2014. Foi nessa época que o PboC propôs a ideia de criar uma moeda digital. O então diretor do banco, Zhou Xiaochuan, promoveu a ideia e estabeleceu a primeira instituição oficial do mundo para a pesquisa e o desenvolvimento de moeda digital legal: a Instituto de Moeda Digital do Banco Central.

O objetivo deste grupo de pesquisa era melhorar o sistema de yuan chinês com a tecnologia blockchain. Isso, enquanto a China já estava começando a aplicar sanções severas contra Bitcoin e criptomoedas gratuitas. Sanções que, de fato, permanecem ativas até hoje naquela nação.

A China adotou a tecnologia blockchain, mas tentando manter o controle que as criptomoedas tiram dela. Como explicamos no artigo sobre CBDC, Bitcoin e CBDC são coisas radicalmente diferentes: enquanto Bitcoin dá liberdade ao cidadão, um CBDC escraviza.

No entanto, apesar da criação deste grupo de pesquisa e desenvolvimento, o progresso nesse sentido foi limitado. Somente em 2017, com a instalação oficial do grupo em Pequim, a China começou a dar passos rápidos na construção de sua moeda digital. Entre as principais responsabilidades desta equipe estava o foco na inovação e no desenvolvimento de moeda digital e tecnologia financeira. Além de realizar pesquisas e desenvolvimento jurídico de moeda digital. Tudo de acordo com o desdobramento estratégico nacional e o acordo geral de trabalho do banco central.

As etapas de desenvolvimento do DCEP foram ainda mais aceleradas quando, em 2019, o Facebook anunciou o lançamento de Libra, sua moeda digital privada. Essa situação colocou a China em estado de alerta, pois, em sua opinião, Libra colocaria em risco não só sua economia, mas também seu local de inovação econômico-financeira com uma moeda digital de alcance global. A isso também foi adicionado o fato de que a Libra Association foi uma clara rejeição ao sistema econômico digital que a China busca criar com o DCEP. Tudo isso levou a nação a acelerar seus planos de lançar o DCEP.

Foi assim que, finalmente, após alguns meses de desenvolvimento, foi anunciado em 22 de junho de 2020, a China já havia concluído a infraestrutura de back-end DCEP. Embora a China ainda esteja em teste piloto como parte do processo de pesquisa e desenvolvimento. Finalmente, foi anunciado que outras cidades chinesas, empresas estrangeiras e locais para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 sediados na China, participarão dos testes do DCEP. Isso deixa claro que a China já tem tudo o que precisa para iniciar seu projeto.

Objetivos do DCEP

Com o DCEP, a China busca criar a primeira moeda digital apoiada por uma das maiores economias do mundo. O objetivo é vincular 1: 1 sua massa fiduciária atual que atualmente usa o Renminbi (RMB), a uma moeda digital que qualquer cidadão pode usar para pagar por produtos e serviços no país. Ao mesmo tempo, o DCEP busca aumentar sua circulação e converter essa moeda em uma moeda de maior abrangência internacional. Uma estratégia que visa transformar a moeda chinesa em oponente direto do dólar.

Embora dizer pareça mais fácil do que torná-lo realidade. Um dos grandes problemas da China em seu plano é o enorme controle que o Estado exerce sobre sua economia, a constante desvalorização da moeda, a pouca transparência e a falta de garantias de investimento no país, cujos reguladores buscam sempre ter um participação significativa em empresas estabelecidas no território. Na verdade, a situação está começando a se confundir rapidamente em um momento em que a China começa a exercer maior pressão sobre pólos econômicos como Hong Kong e as relações com Taiwan e o Japão começam a ficar tensas.

Junto com isso, temos que a China não tem sido particularmente aberta com empresas do mundo criptográfico. Por um lado, falar recentemente sobre Bitcoin ou nomeá-lo era um risco que poucos ousavam correr, e hoje, embora o risco seja menor, poucos são os que se atrevem a falar abertamente sobre Bitcoin e criptomoedas, ou sobre como a moeda digital da China e os CBDCs são uma contradição absoluta à filosofia com a qual o blockchain nasceu.

No entanto, a atual perspectiva global sugere que stablecoins e os CBDCs continuarão crescendo e ocupando importantes espaços econômicos em todo o mundo. E, nesse sentido, a China não quer ficar longe do jogo geopolítico, geoeconômico, geocomercial e das influências globais. Nesse sentido, o compromisso da China com o DCEP permanece claro: “o DCEP é um CBDC e devemos fazer com que nossa nação e o mundo o adotem”. Principalmente quando se sabe que apenas 1,6% das reservas internacionais globais estão protegidas em yuan, deixando a China muito atrás no comércio internacional de divisas.

Se esses objetivos forem alcançados, o DCEP ocupará um lugar importante dentro do status quo das moedas internacionais, o que, sem dúvida, contribuirá para o comércio chinês. Uma aposta econômica e tecnológica arriscada que pode começar a dar frutos em 2022. Principalmente considerando o enorme grupo de usuários que o DCEP pode ter, que é estimado em mais de 1,6 bilhão de usuários. E a razão é que sistemas como Apple Pay China, AliPay, WeChat e outros sistemas de pagamento digital estarão intimamente ligados a essa moeda digital.

Tecnologia por trás do DCEP Como funciona a moeda digital chinesa?

A criação do DCEP está intimamente ligada à tecnologia de blockchain, de fato, seu funcionamento como tal é possível graças a esta tecnologia. Pelos dados que se conhecem, o Banco Central do Povo Chinês (PboC) tem sob seu controle os principais nós da rede, enquanto uma série de bancos aliados e empresas privadas poderão operar nós complementares para suportar o poder da rede.

As informações sobre o protocolo de consenso, algoritmo de mineração, geração de blocos e criptografia usados ​​ainda são segredo de estado. Ninguém tem conhecimento desses detalhes e, com dúvidas, eles serão conhecidos em um futuro próximo sabendo o quão ciumenta a China está em relação às suas tecnologias nacionais.

O que sabemos e tornamos público é que o DCEP será uma moeda digital centralizada cujo controle estará nas mãos do PboC. Além disso, a moeda terá um sistema de distribuição dividido em duas etapas. Algo semelhante a todos os CBDCs.

Este sistema está desenhado para que o PboC possa manter o controle, mas ao mesmo tempo, grandes empresas e bancos nacionais podem desempenhar um papel importante em seu funcionamento. Um certo nível de tarefa e distribuição de energia, que visa manter o sistema funcionando sem problemas, principalmente em termos de escalabilidade, uma vez que o sistema planeja atender continuamente a pelo menos 1,6 bilhão de usuários globalmente.

Entre as empresas e bancos que estão por trás dessa operação estão gigantes como AliPay, WeChat, Union Pay, Huawei, Tencent, Ant Financial, Banco da China, Banco Agrícola da China, Banco de Construção da China, Banco Industrial e Comercial da China e outros que certamente se juntarão a este gigante.

Outro ponto importante sobre a tecnologia e o funcionamento do DCEP se dá pelo seu nível de privacidade e anonimato, duas características que o dinheiro tem hoje. Pois bem, nesse sentido, o PboC esclareceu que o DCEP terá privacidade e anonimato controlados, deixando claro que as autoridades poderão saber tudo sobre os movimentos econômicos dos indivíduos se assim o desejarem, mas que o público não terá acesso a essas funções. .

Além disso, o PboC pode ter acesso ao vivo a todas e cada uma das carteiras DCEP criadas, estejam elas na China ou em qualquer lugar do mundo. Em suma, como no resto da CBDC, você nunca terá seu dinheiro e eles podem tirar seu dinheiro de você se uma entidade central considerar conveniente.

Legalidade na China e no resto do mundo

Neste ponto, você já deve ter visto que o DCEP pode ser uma moeda digital movida a blockchain. No entanto, seus princípios estão a anos-luz de distância do espírito de moedas como o Bitcoin. A isso você pode acrescentar que o uso do DCEP tanto na China quanto no resto do mundo está vinculado à lei chinesa. Isso significa que a lei chinesa terá precedência sobre qualquer outra lei local ou internacional para casos de controle e acesso ao seu histórico financeiro e controle de carteiras.

Para colocá-lo de forma mais simples, tomemos as palavras de Huang Qifan, presidente do China International Economic Exchange Center, que disse estar trabalhando no DCEP por cinco a seis anos e totalmente confiantes de que ele pode ser introduzido como o sistema financeiro. do país. Além disso, Qifan comentou o seguinte no Fórum de Finanças da China:

O DCEP pode realizar a coleta em tempo real de dados relacionados à criação e uso da moeda, fornecendo informações úteis para o fornecimento de dinheiro e a aplicação de políticas monetárias.

Em suma, as leis europeias como o GPDR ou outras leis que protegem o sigilo bancário e a privacidade económica e financeira simplesmente não existem para o DCEP. Na China, isso terá uma estrutura legal bem elaborada que servirá para controlar essa enorme máquina global de inteligência econômica e financeira. Mas no resto do mundo, certamente não será permitido devido ao claro perigo que representa.

China e a necessidade de uma moeda digital para sua nação

A necessidade da China para o lançamento do DCEP deriva de sua necessidade de fortalecer sua presença econômica e influência global. A conversão do DCEP em uma moeda global de alta liquidez busca impulsionar seu uso como moeda de reserva. Além disso, projetar suas empresas como gigantes financeiros para a prestação de serviços em nível global. Todas essas ações buscam destronar o dólar como moeda de referência global. E até colocaram em risco o euro como moeda comum da Europa.

A razão? O DCEP poderia oferecer melhores mecanismos para pagamentos internacionais a um custo menor. Além de proporcionar maior “segurança” e acima de tudo maior agilidade, características que superam o atual sistema de pagamentos internacionais. Conseqüentemente, sistemas como SWIFT e SEPA procuram ativamente desenvolver sistemas de pagamento mais baratos e rápidos do que suas opções atuais. Na verdade, esse é um trabalho que já começa a trazer seus próprios resultados.

No entanto, a China tem um adversário difícil, já que o SWIFT é o mecanismo de transferência bancária mais usado no mundo. A rede SWIFT, que iniciou suas operações em 1973, permite que instituições financeiras em todo o mundo enviem e recebam transações financeiras de forma segura, padronizada e confiável, embora não tão rapidamente quanto a demanda atual.

E embora a China tenha o CIPS (China International Payment System) para bancos, a criação do DCEP colocará esse sistema de lado por outro mais rápido, facilmente adaptável e de escopo global. Muito simplesmente, o DCEP é uma opção de desenvolvimento melhor e, portanto, a China está apostando tudo neste desenvolvimento hoje. Além disso, em meio a um confronto frontal entre a China e os Estados Unidos, que resultou em vários eventos de guerra comercial nos últimos anos.

Diante desses eventos, a necessidade da China de uma moeda digital como o DCEP é evidente. Não é apenas uma moeda para sua nação, mas um veículo de dominação econômica. Uma que ele precisa urgentemente para continuar com seus planos de se estabelecer como a primeira superpotência do mundo, destronando os Estados Unidos. Conseqüentemente, muitos meios de comunicação, especialmente os chineses, veem o DCEP como a "terceira onda" visando os Estados Unidos.

Escopo e consequências do DCEP para a China

O impacto da transformação da China em um país sem dinheiro será positivo por um lado. Especialmente porque hoje, quase 50% da população chinesa faz suas despesas econômicas diárias usando a mídia digital.

Na verdade, mais de 80% dos usuários de smartphones usam seus dispositivos móveis para pagar por transações de ponto de venda regularmente. Isso significa que a China tem a maior taxa de adoção de pagamento móvel do mundo. Ultrapassou inclusive países como Coréia do Sul e Japão, que ocuparam essa posição.

Nesse sentido, o impacto do DCEP na China será bastante pequeno. A sociedade está acostumada a pagamentos digitais e as carteiras que eles usarão para gerenciar o DCEP serão integradas de forma nativa com a nova moeda, tornando a transação muito simples. Mas, pelo contrário, há tudo o que mencionamos antes. Tudo o que você fizer com a moeda será monitorado e sujeito a decisões políticas. Em vez disso, o uso de Bitcoin, ou stablecoin sem garantia fiduciária como DAI, são as melhores soluções de liberdade para todos.

Conclusão

Neste ponto, não há dúvida de que o DCEP é apenas uma moeda digital de um país que busca o domínio por todos os meios possíveis. Não só a China quer isso, todos os países do mundo têm bancos centrais que querem continuar a manter a população sob controle com o dinheiro que controlam.

Mas não só os bancos centrais, mas também as empresas, como no caso de Libra do Facebook. Esta é uma moeda centralizada apoiada pela moeda fiduciária do banco central que adiciona uma camada extra, a corporação Facebook. E tudo o que procura é criar um falso senso de inovação e tecnologia camuflando novas algemas digitais. Grilhões que buscam nos subjugar e servir como geradores de informação, em colmeias digitais. Colmeias onde também controlamos tudo o que fazemos, reprogramamo-nos mentalmente com publicidade que modifica nossa maneira de pensar. E acima de tudo, em um mundo digital que busca direcionar-se em uma direção contrária ao benefício das pessoas, sempre com o controle do dinheiro no epicentro.

Não há dúvida de que as moedas digitais são necessárias no atual contexto do mundo. Mas fazer essas ferramentas de dominação das quais não podemos escapar é simplesmente uma nova forma de neo-escravidão. Uma neo-escravidão que moedas como o Bitcoin nos ajudam a quebrar ao nos dar poder absoluto sobre nosso dinheiro. Um poder que, como comunidade, buscamos manter para proteger nossa liberdade no mundo.

O DCEP é sem dúvida um grande projeto, com objetivos muito elevados, alguns dos quais certamente veremos cumpridos em muito pouco tempo. Mas resta saber qual o grau de aceitação que terá no mundo. Especialmente quando opções tão poderosas como o Bitcoin surgiram e desapareceram há muito tempo. O que, em última análise, nos diz que em muito pouco tempo veremos os gigantes econômicos se enfrentarem contra o Bitcoin e outras criptomoedas em uma luta para ganhar o lugar de honra de ser a moeda de reserva mundial de valor.

Nesse sentido, da Bit2Me Academy a nossa aposta é o Bitcoin, a criptomoeda que ajuda a alcançar a liberdade e a independência económica de todos nós. E com a liberdade econômica vem todo o resto.