Hyperledger, é um projeto de tecnologia blockchain e DLT promovido pela Linux Foundation, em conjunto com um grande e variado grupo de grandes empresas de tecnologia que estão interessadas em aplicar esta tecnologia em seus diferentes espaços produtivos, e assim melhorar a segurança e a confiança de seus processos. 

Unenhum dos projetos de tecnologia mais relevantes blockchain dentro do mundo dos negócios está o Hyperledger, que é apoiado pela Linux Foundation. Mas o que há neste projeto que o torna tão atraente para as empresas? Qual é o seu verdadeiro potencial para tornar o blockchain uma tecnologia de alcance empresarial e industrial?

Hyperledger, um projeto para levar o blockchain a todas as indústrias

Se quisermos definir Hyperledger de maneira simples, talvez a melhor frase seja: "Blockchain para o mundo empresarial e industrial", e é exatamente isso que o HyperLedger pretende fazer.

Este projeto nasceu do esforço da Linux Foundation e de várias empresas aliadas para criar uma plataforma de desenvolvimento colaborativo focada na tecnologia blockchain e seus potenciais usos industriais e comerciais. Isso visava claramente criar tecnologia aplicável em áreas como finanças, bancos, Internet das coisas (IoT), cadeias de suprimentos, entre outros. E o melhor de tudo: era um esforço de código aberto onde a construção dessa tecnologia estaria disponível para todos.

A Linux Foundation revelou este projeto em dezembro de 2015 e, graças ao impulso inicial, em fevereiro de 2016 já contava com o apoio de empresas e organizações como Accenture, ANZ Bank, Cisco, CLS, Credits, Deutsche Börse, Digital Asset Holdings , DTCC, Fujitsu Limited, IC3, IBM, Intel, JP Morgan, London Stock Exchange Group, Mitsubishi UFJ Financial Group (MUFG), R3, State Street, SWIFT, VMware e Wells Fargo. Sem dúvida, a proposta da Linux Foundation pegou e o interesse da indústria pela tecnologia foi enorme.

Em março de 2016, o Conselho de Administração e o Comitê Técnico de Orientação foram criados para o projeto Hyperledger, do qual participaram:

  • Presidente do Comitê Técnico de Direção: Chris Ferris, Distinguished Open Technology Engineer e CTO da IBM
  • Membros do Comitê Técnico de Direção: Tamás Blummer, Digital Asset Holdings; Mic Bowman, Intel; Richard Brown, R3; Stanislav Liberman, CME Group; Hart Montgomery, Fujitsu; Satoshi Oshima, Hitachi; Stefan Teis, Deutsche Börse; Emmanuel Viale, Accenture; Pardha Vishnumolakala, DTCC; e David Voell, JP Morgan.
  • Presidente: Blythe Masters, CEO da Digital Asset Holdings
  • Membros do Conselho de Administração: Charles Cascarilla, diretor executivo da itBit; Toshiya Cho, Hitachi; Jerry Cuomo, IBM; Chris Ferris, IBM; Dirk Hohndel, Intel; Todd McDonald, cofundador e COO da R3; Robert Palatnick, DTCC; Kireeti Reddy, CME Group; Stefan Teis, Deutsche Börse; Dave Treat, Accenture; Yoshinobu Sawano, Fujitsu; Santiago Suárez, JP Morgan; e Craig Young, SWIFT CTO.

A partir daí, o Hyperledger continuaria seu processo de treinamento e iniciaria a fase de desenvolvimento de tecnologia.

Projetos de blockchain com propósitos amplos

O principal objetivo do Hyperledger não era criar um blockchain com uma moeda e lançá-lo no mercado de criptografia. Seu verdadeiro objetivo é projetar tecnologias que aproveitem a estrutura que o Bitcoin trouxe, tentem separar a moeda e aproveitem a forma de trabalhar do blockchain em outros cenários.

Isso foi promovido como uma oportunidade para tentar melhorar a eficiência de empresas e setores em diferentes ambientes. Em outras palavras, o Hyperledger era um projeto blockchain agnóstico a um caso de uso específico, com propósitos amplos.

Por exemplo, um dos principais usos em que o Hyperledger é proposto como uma ferramenta é no fornecimento de soluções mais seguras para sistemas financeiros e de cadeia de suprimentos. Para isso, as empresas que apoiaram o projeto investiram em pesquisa e desenvolvimento e conseguiram criar um framework capaz de atender a essas necessidades.

Hoje o Hyperledger é uma das tecnologias mais utilizadas para responder a essas necessidades usando o blockchain. E não só isso, ele o faz em um ambiente que pode ser público (como qualquer blockchain), semi-público ou privado, demonstrando a elasticidade da plataforma para atender a diferentes necessidades.

Mas quais projetos foram erguidos para alcançar esse feito? Bem, vamos examinar alguns desses projetos e entender seu impacto no mundo.

Hyperledger Fabric, o primeiro projeto Hyperledger

O projeto mais conhecido do Hyperledger foi gerado pelo gigante da computação IBM e foi batizado de Hyperledger Fabric. O Fabric foi projetado para ser uma plataforma altamente adaptável e escalonável, com grande flexibilidade de acesso e permissão.

Todas estas características tornam-no ideal para enfrentar situações de elevado tráfego de dados, utilização intensiva e extensiva de acesso à informação e, sobretudo, para se adaptar aos desenvolvimentos personalizados necessários à indústria nos seus diferentes ramos.

Dentre as funcionalidades do Hyperledger Fabric podemos citar:

  1. Sua arquitetura de permissão funciona por meio de autorizações criptográficas exclusivas. Cada permissão pode ter acesso granular aos dados do blockchain, mantendo o acesso às diferentes partes de uma forma controlada.
  2. Use uma arquitetura modular de trabalho, para que seus recursos possam ser adaptados ou expandidos dependendo das necessidades.
  3. É capaz de usar diferentes protocolos de consenso, adaptando-os para segurança, velocidade ou privacidade conforme necessário.
  4. É capaz de executar smart contracts, que pode ser escrito em linguagens de programação como Go, Java, JS e pode até executar um Máquina Virtual Ethereum (EVM) e executar contratos inteligentes escritos em Solidity, servindo como uma ponte entre o desenvolvimento do Fabric e Ethereum.
  5. Rede peer de alta velocidade graças ao seu protocolo gossip especialmente desenvolvido para baixa latência em redes P2P.
  6. Alta tolerância a falhas e protocolos BFT intercambiáveis. Entre os BFTs suportados estão peneira, SBFT (BFT simplificado) y PBFT (BFT prático).

Essas são características muito importantes a serem levadas em consideração no pensamento do blockchain sobre interoperabilidade, e mais, se você quiser que a interoperabilidade com o blockchain tão importante quanto o Ethereum.

Tela de hiperligação

Obviamente, o desenvolvimento do Fabric serviu para muitas empresas para provar como a tecnologia blockchain pode ajudar a melhorar seus processos de trabalho. Um bom exemplo é a Accenture, que usou o Fabric para suas soluções de integração de sistemas e seguros com seus Blockchain Integration Framework (atualmente Hyperledger Cactus).

Por outro lado, a IBM tem usado o Fabric para oferecer seus serviços de blockchain de nível empresarial, IBM Cloud Blockchain, incluindo criações como a de TradeLens, projeto conjunto realizado com a gigante da logística Maersk.

Uma situação muito semelhante também aconteceu com a Microsoft, que usa o Fabric e outros projetos Hyperledger para suas plataformas de nuvem de blockchain.

Sawtooth, levando a integração blockchain-hardware a um novo nível

Um dos principais problemas com a tecnologia blockchain é sua pouca capacidade de escala hoje. Este é um problema muito sério quando pensamos em trazer essa tecnologia para espaços como a IoT, onde esperamos que bilhões de dispositivos estejam conectados a todo o momento ao redor do mundo e em tempo real. Nesses cenários, a escalabilidade das cadeias de blocos atuais é insuficiente.

Diante do problema, a Intel assumiu a tarefa de encontrar uma solução que envolveria a integração da tecnologia blockchain com o hardware mais poderoso que pudesse produzir, em um nível extremo. O resultado desse trabalho é Hyperledger Sawtooth, um projeto no qual a Intel alcançou duas grandes conquistas

Crie um algoritmo de consenso tão rápido que uma única máquina seria capaz de processar centenas de milhares de transações por segundo. Mas não só isso, quanto mais poderosa a máquina, mais transações por segundo ela pode fazer. E, se além disso, houver várias máquinas conectadas, sua potência se multiplicaria. Isso definitivamente deixa para trás a limitação de escalabilidade dos blockchains atuais. Este algoritmo de consenso é chamado Teste de tempo decorrido ou Proof of Elapsed Time (PoET), um algoritmo que já falamos na Bit2Me Academy.

Integre esta tecnologia a ponto de tirar o máximo proveito do hardware onde ela roda, e mais, se esse hardware for Intel. Agora, o que torna Sawtooth tão rápido como acabamos de descrever?

Bem, é um protocolo de consenso que funciona em conjunto com o conjunto de instruções do processador e é focado em realizar operações de verificação usando um teste criptográfico simples executado por cada CPU.

Para isso, o PoET usa as extensões SGX e Intel Enclave para garantir que possa criar um espaço de execução seguro e também realizar testes criptográficos nesse espaço. Como tudo é executado no nível da CPU, essas operações são rápidas, muito rápidas e, de fato, sua velocidade melhora em relação ao potencial das CPUs e à quantidade disponível delas.

No entanto, Sawtooth depende muito do hardware Intel para realizar esses feitos, e isso leva a outros problemas muito sérios. Os processadores Intel nos últimos anos apresentaram uma longa lista de problemas de segurança em nível de silício que não foram capazes de corrigir. Na verdade, um de seus problemas mais recentes é capaz de quebrar a segurança de seu enclave seguro e das instruções SGX que o PoET usa para realizar seus testes criptográficos, tornando este projeto algo que não pode ser executado publicamente porque seria um alvo do hackers.

Dente de Serra Hyperledger

Apesar disso, Sawtooth é um projeto perfeito para ser aplicado em espaços controlados e privados, principalmente por suas outras características interessantes, entre as quais temos:

  1. É possível usar diferentes protocolos de consenso no mesmo blockchain. Esta é uma característica única do Sawtooth não vista em nenhum outro projeto de blockchain.
  2. É a origem do protocolo de consenso Proof-of-Time (PoET). Este é um protocolo de alta velocidade e baixa latência desenvolvido pela Intel com base na tecnologia criptográfica fornecida por seus processadores.
  3. Contratos inteligentes podem ser escritos em quase qualquer linguagem (Python, JavaScript, Go, C, Java e Rust)
  4. É possível implementar contratos inteligentes Ethereum através da integração com o Hyperledger Burrow. Burrow é uma plataforma de integração projetada para vincular projetos do Hyperledger ao ecossistema Ethereum.
  5. Permite execução pública (sem permissão) ou privada (com permissão). Sem permissão, pode ser usado usando outro protocolo que não o PoET.
  6. Permite a execução paralela de transações proporcionando um desempenho superior. Esta é outra característica única do Sawtooth que não aparece em outros blockchains no momento.

Iroha, DLT para a IoT

Outro dos projetos do Hyperledger com grandes diferenças em relação aos seus irmãos é o Hyperledger Iroha, e a razão é que este sistema é um DLT construído do zero, afastando-se um pouco do conceito de blockchain puro do resto dos projetos.

Iroha foi projetado para atender às necessidades de computação de espaços industriais como a IoT, sistemas financeiros ou onde o tráfego de informações é de grande volume.

Claro, Iroha não está muito atrás de seus irmãos em termos de velocidade e segurança, e a razão para isso é muito simples: Iroha é construído em C ++, portanto, velocidade de processamento, extensibilidade e estabilidade são seus pontos mais importantes. poderoso.

Entre as principais características do Iroha podemos citar:

  1. É focado na criação e gerenciamento de ativos fungíveis personalizados, como moeda, ouro, etc.
  2. Possui um amplo sistema de gerenciamento de contas de usuários e permissões de forma granular.
  3. Permite a criação de uma estrutura de contas baseada em domínios do sistema, cada um com as permissões associadas.
  4. Possui sistema de direitos e verificação de permissões do usuário para a execução de transações e consultas no sistema.
  5. Criação de contratos inteligentes personalizados com alta velocidade de execução.

Essas características deixam muito claro que Iroha foi projetada para serviços críticos e espaços de segurança extremamente alta. Mas o mais impressionante sobre a plataforma é sua extensibilidade usando contratos inteligentes.

Para isso, o projeto criou as Instruções Especiais Iroha (ISI), que é uma biblioteca com uma série de primitivas de programação que são usadas para programar contratos inteligentes dentro do Iroha.

Como resultado, Iroha é um projeto altamente escalonável. Na verdade, sua versão atual 2 é capaz de executar mais de 20 mil transações por segundo, e o tempo médio de confirmação é de 2 segundos.

Quanto você sabe, cryptonuta?

A tecnologia HyperLedger pode ser usada em outros projetos de criptomoeda?

VERDADEIRO!

Toda a tecnologia HyperLedger é viável para uso em outros projetos de criptomoeda porque é licenciada sob software livre.

Seu impacto no mundo criptográfico

Os três exemplos acima são os mais significativos no Hyperledger, mas não os únicos. Graças ao Open Source, nele converge muito pensamento colaborativo, onde até mesmo o setor privado (empresas) tem se dedicado a criar um grande número de ferramentas de interoperabilidade de blockchain que permitem conectar o mundo dos blockchains de negócios Hyperledger, com outros blockchains como Ethereum ou Bitcoin .

Por exemplo, o projeto Hyperledger Ursa é uma ferramenta projetada para facilitar a criação de pontes de interoperabilidade entre Hyperledger e outras criptomoedas, como Bitcoin, Ethereum. Ele ainda tem suporte para criptomoedas com foco na privacidade, como Zcash, por ser capaz de fazer uso de criptografia ZKP (protocolo de conhecimento zero).

Graças à Ursa é possível que uma empresa que utiliza Fabric possa fazer uma ponte com essas outras blockchains e criptomoedas, e realizar operações sem maiores dificuldades.

Outro exemplo do desenvolvimento do Hyperledger pode ser visto em Hyperledger GRID, um desenvolvimento projetado para facilitar a interoperação de blockchains ou DLTs projetados para controlar cadeias de suprimentos.

Junto com isso, dada a enorme gama de opções apresentadas no Hyperledger, este projeto também conta com uma série de ferramentas de controle como Hyperledger Cello, que pode ser definido como um “orquestrador de implantação de blockchain”, uma ferramenta extremamente útil para ambientes de nuvem e Blockchain-as-a-service (BaaS).

Outro projeto importante é Hyperledger Besu, um cliente multiprotocolo de consenso Ethereum, que é capaz de interagir com Ethereum e blockchains derivadas, como PoA ou Quorum. Um dos grandes nomes do setor de criptografia, a ConsenSys, empresa intimamente ligada ao mundo Ethereum, participa desse projeto.

Todas essas ferramentas deixam claro que o objetivo do Hyperledger é criar ferramentas abertas e gratuitas que permitam às empresas permanecer no caminho evolutivo do blockchain, aproveitando as melhores capacidades desta tecnologia e aplicando-as em seus ambientes de trabalho.