O Cypherpunk é um grupo de pessoas que se envolvem no ativismo digital com foco na proteção da privacidade e segurança dos usuários digitais, usando o melhor que a criptografia pode oferecer.

Un cypherpunk é um ativista que defende a ideia de usar criptografia poderoso e o melhor da tecnologia para proteger a privacidade dos indivíduos. A palavra cypherpunk é uma das palavras mais vistas no mundo criptográfico desde os anos 80. Esses ativistas tiveram um papel decisivo na evolução da tecnologia criptográfica, usada hoje em todos os lugares, e na defesa de nossa privacidade no que conhecemos hoje como a Internet.

A palavra cypherpunk foi inventada pelo conhecido hacker Jude Milhon em 1992. Para isso, ele se juntou a "cypher" (criptografia) e "punk" (rebelde). Simplificando, cypherpunk é "rebeldes de criptografia". Além disso, a palavra tem um desvio anteriormente conhecido, o de cyberpunk. Essa palavra é usada para definir um gênero literário futurista, de ficção científica e distopia, em que a tecnologia é central no enredo.

Mas quais foram seus inícios? Quem são eles? Quais foram suas maiores conquistas? E o mais importante, o que eles estão fazendo no mundo hoje? Bem, tudo isso e muito mais veremos abaixo.

Início do movimento cypherpunk

O movimento cypherpunk começou assim que a computação demonstrou seu potencial para transformar a segurança das informações públicas usando criptografia em 1970. Naquela época, as pessoas interessadas em criptografia queriam levar essa tecnologia para espaços além do uso puramente militar. Uma situação que parecia necessária devido às perspectivas futuras de um mundo digital interconectado graças aos computadores. E ainda mais sabendo que nessa rede todos os nossos dados seriam armazenados e ao alcance de qualquer lugar do mundo.

A Internet não foi projetada para ser segura. Foi projetado para não falhar, mas não para ser seguro. Um dos primeiros números para aumentar a segurança foi Ralph Merkle. Merkle, que ainda estudante, foi capaz de projetar as bases de vários sistemas criptográficos atuais. De fato, Merkle é reconhecido como o criador do primeiro sistema funcional de criptografia assimétrica. Um fato que foi esquecido por muitos, porque seu trabalho foi tomado como uma piada.

No entanto, o trabalho conjunto de Ralph Merkle, Martin Hellman e Whitfield Diffie, deu origem aos primeiros sistemas criptográficos assimétricos disponíveis ao público. Enquanto que DES (padrão de criptografia de dados) era sua contraparte na criptografia simétrica, tornada pública pelo governo americano.

É a partir deste momento que o mundo da criptografia começará a mudar o mundo. E o momento em que o cypherpunk começa a ter um grande peso em seu desenvolvimento.

Nos anos 80, cypherpunks começam a aparecer

Certamente, o desenvolvimento de criptografia assimétrica e simétrica durante os anos 70 foi importante. Mas muitos especialistas viram esse progresso como insuficiente. Por um lado, o DES era visto como insuficiente para o número de aplicativos de segurança que estavam à frente. Isso além das suspeitas de que o padrão foi intencionalmente enfraquecido para permitir a espionagem pelos Estados Unidos.

Do lado dos sistemas criptográficos assimétricos, a baixa potência computacional e sua complexidade dificultam a implementação desses desenvolvimentos. Mas isso não impediu os interessados ​​em desenvolver esses sistemas. Com a ARPANET crescendo rapidamente e o desenvolvimento do TCP / IP, os anos 80 seriam o começo da grande rede mundial de informações. Na perspectiva desse desenvolvimento, mentes brilhantes como as de David Chaum, Shafi Goldwasser o Silvio Micali, Eles começaram a se concentrar nos desafios de criptografia do futuro.

De todos eles, David Chaum é o mais prolífico e "rebelde" de todos. Chaum estava focado em levar a tecnologia de criptografia ao máximo. Tudo para proteger a privacidade das pessoas. Foi uma luta entre pessoas e governos que querem controlar tudo. Uma luta em que a ferramenta para a batalha era tecnologia avançada e criptografia. Foi assim que Chaum criou sistemas de criptografia altamente seguros, como assinaturas cegas, assinaturas de grupo, credenciais de criptografia e o primeiro exemplo de dinheiro digital criptograficamente seguro.

Tudo isso transformaria David Chaum na primeira pessoa que poderia ser definida como um cypherpunk. Um fato que continua a impactar nossas vidas hoje e que abriria as portas de um movimento pelo direito à privacidade em todo o mundo.

Nasce a lista de correio Cypherpunks

No início dos anos 90, o que conhecemos hoje como Internet já é uma realidade. A rede de redes Mundial Estava operacional, embora de tamanho limitado em comparação com hoje. No entanto, estava lá e permitiu que milhares de pessoas compartilhassem informações de qualquer lugar do mundo sem estar fisicamente presente.

Naquela época, as listas de discussão eram amplamente usadas como espaços para se reunir e discutir sobre diferentes tópicos. A partir dessas listas, a lista de discussão Cypherpunks, criado em 1992, foi um pouco especial. Nele personalidades como Adam BackJude Milhon, David Chaum, Eric Hughes, Timothy C. May, John GilmoreFen Labalme, Lance Cottrell, Nick Szabo, Richard Stallman, Romana Machado, Ron Rivest, Tatu Ylönen, Tim Berners-Lee e Ulf Moller ganharam vida.

De 1992 até os dias atuais, a lista Cypherpunk foi o epicentro de muitos projetos de criptografia no mundo. De seus projetos tão importantes quanto os Electronic Frontier Foundation (EFF) ou o de Privacidade aberta.

Além disso, a lista de Cypherpunks era o berço da "O manifesto criptanarquista" y "O Cyphernomicon". Sem mencionar os avanços tecnológicos que nos levariam à criação de tecnologia blockchain e criptomoedas, como o caso de HashCash de Adam Back.

Quanto você sabe, cryptonuta?

O movimento cypherpunk foi vital para o desenvolvimento da computação hoje?

VERDADEIRO!

O impacto do movimento cypherpunk no desenvolvimento da computação é inestimável. Sua forte crença na privacidade e a criação de ferramentas focadas em segurança e criptografia transformaram a computação, permitindo que a usufruíssemos com segurança o tempo todo, principalmente após a criação da rede de redes, a Internet.

Principais realizações do cypherpunk em sua história

Como mencionamos anteriormente, os cypherpunks procuram fazer o melhor para criar ferramentas que nos ajudem a lutar por nossa privacidade. Mas quais foram essas ferramentas? E, mais importante, que impacto eles tiveram em nossas vidas e em nossa privacidade? Bem, examinaremos alguns desses avanços:

Internet

A rede de redes é em parte uma conquista do trabalho realizado pelos cypherpunks. De fato, Tim Berners-Lee, o criador da Internet era um cypherpunk bem conhecido. Ao longo de sua vida, Berners-Lee promoveu a idéia de dados abertos do governo em todo o mundo e a luta por direitos como neutralidade da rede, privacidade e abertura da Web.

Criptografia SSL para servidores Web

No início da Internet, as conexões com os servidores eram feitas sem nenhuma criptografia. Isso significava que todas as conexões podiam ser monitoradas e o conteúdo da conexão completamente revisto. Isso mina claramente a segurança e a privacidade das pessoas na Internet. A solução foi fornecida por Ben Laurie, um cypherpunk conhecido ao criar Apache-SSL em 1998.

Acesso remoto seguro

Uma das tarefas mais comuns na Internet é acessar remotamente recursos on-line de qualquer lugar do mundo. Protocolos como FTP e Telnet permitem isso desde o início da Internet, mas ambos são inseguros. Tudo mudou quando Tatu Ylönen projetou o protocolo SSH. Este seria o protocolo de conexão remota por excelência, devido à alta segurança que ele oferece. Um fato que ainda está sendo cumprido hoje, pois ainda é amplamente utilizado.

Organizações de defesa de direitos

A criação da Electronic Frontier Foundation, responde ao trabalho de Mitch Kapor, John Gilmore y John Perry Barlow. Os três eram cypherpunks conhecidos e marcaram um antes e um depois nas organizações em defesa dos direitos digitais.

Outro órgão nesse sentido foi o iniciado por Richard Stallman, a Fundação do Software Livre. Uma fundação com a visão de manter o código fonte dos programas livre para ser visto e modificado por qualquer pessoa. Um movimento que deu origem a projetos como o GNU / Linux e Android do Google.

Avanços em criptografia e tecnologia da computação

Muitos dos avanços na criptografia foram graças ao trabalho dos cypherpunks. Um bom exemplo é David Chaum e suas assinaturas cegas, bem como sua versão do dinheiro digital. A isto é adicionado o trabalho de Shafi Goldwasser e sistemas distribuídos e resistentes a erros. Mas também podemos contar trabalhos que buscam fortalecer e evoluir a computação para torná-la mais segura e eficiente o tempo todo.

Neste ponto, o impacto que os cypherpunks tiveram no mundo é qualquer coisa, menos pequeno. As várias personalidades por trás do movimento continuam a promover mudanças positivas nas quais todos nos beneficiamos. E, apesar das adversidades, o movimento continua a crescer e a se fortalecer, entendendo que aqueles que podem proteger a privacidade das pessoas não são governos, mas as mesmas pessoas com o poder de mudar a maneira como as coisas são feitas. Esses são os cypherpunks. Depois de tudo "Cypherpunks escrevem código", exatamente como Eric Hughes disse.