A identidade soberana é um dos conceitos mais revolucionários que nasceram recentemente. Essa nova forma de ver a identidade transformará radicalmente a maneira como lidamos e administramos nossos dados em um mundo cada vez mais interconectado.

UUm dos conceitos que começou a ganhar mais popularidade dentro da tecnologia de blockchain é o de identidade soberana.

A identidade soberana nada mais é do que uma forma de identidade digital na qual o usuário tem controle total sobre seus dados. Além de permitir que você gerencie quem pode acessá-los e em quais termos. A natureza revolucionária deste conceito chamou a atenção de comunidades, organizações, indivíduos e até mesmo empresas. Todos preocupados com a privacidade e o acesso aos seus dados no mundo interconectado em que estamos.

Em meio a esse conceito revolucionário, o blockchain se destaca pelo que poderia ser, a melhor base fundamental para esta tecnologia. Um caso especialmente relacionado às propriedades criptográficas, descentralização e segurança da tecnologia blockchain.

Nesse sentido, tem havido muitos esforços para construir um sistema de identidade soberana funcional e padronizado. Mas esse caminho tem sido muito lucrativo. Não só para definir bem o que é e o que não é, identidade soberana, mas também para projetar e explorar novas tecnologias para construí-la.

Como funciona a identidade soberana?

Em um sistema de identidade soberana, o usuário que possui a identidade, tem controle total e soberano de sua identidade em todos os momentos. Esses dados de identidade são armazenados em um formato criptográfico protegido por criptografia assimétrica. Desta forma, o usuário pode compartilhar dados com terceiros com segurança e sem se expor a vazamentos de dados indesejados.

Além disso, o usuário tem o controle de cada transação de informação. Neste ponto, Cada troca de dados é dada nos termos que o usuário estabelece. Em outras palavras, o usuário é quem decide quais informações compartilhar, quantas e com quem. Este nível de controle é a principal diferença com sistemas de identidade digital centralizados ou federados.

Além deste ponto, o compartilhamento de informações ocorre em um sistema descentralizado em sua totalidade. Nesse sistema, cada participante pode aprovar ou não por consenso se os dados de identidade fornecidos são verdadeiros ou falsos. Não há autoridade central e não há ninguém que possa ditar regras ou censurar ações. Com este sistema, o objetivo é garantir que os dados fornecidos não sejam manipulados de uma forma ou de outra.

Casos de uso de tecnologia

Os casos de uso de tecnologia de identidade soberana são muitos e variados. Aqui iremos descrever alguns deles de forma simples:

Identificação em serviços web

Um dos principais usos da tecnologia de identidade soberana é a integração com serviços de identificação em serviços da web. Com um sistema de identidade soberana, é possível abrir contas e fazer login simplesmente apontando para a identidade que temos. Isso seria suficiente para que os serviços da web nos dessem acesso à sua plataforma.

Verificação de credenciais educacionais

A identidade soberana é perfeita para esse caso de uso. Isso permite vincular a identidade do usuário a um certificado educacional criptograficamente seguro. Este aplicativo é usado, por exemplo, pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Este sistema é chamado Projeto de Certificados Digitais, e usa o blockchain Bitcoin. Nele, os dados do aluno e seu certificado são armazenados como prova irrefutável de que o aluno recebeu o referido certificado. Este sistema é complementado por uma série de sistemas que permitem revisar e verificar por meio de uma identificação se essa pessoa possui o certificado emitido pela instituição.

Identificação segura em sistemas de votação eletrônica

Uma das principais falhas dos sistemas de votação de hoje é que eles dependem muito do papel e de sistemas de identificação centralizados. Essas duas situações se prestam à manipulação dos dados dos eleitores e de seus votos. Portanto, uma forma de evitar essa situação é um sistema de identidade soberana. Com isso, cada cidadão é identificado de forma inequívoca dentro do sistema. Não há duplicações, a possibilidade de falsas identidades é reduzida e isso tem um impacto direto na transparência das eleições. Além disso, com sistemas criptográficos seguros, é impossível relacionar o eleitor com sua escolha de voto. Isso evita que você seja coagido ou perseguido por seu pensamento político.

As razões para criar um sistema de identidade soberana

As principais razões para projetar um sistema de identidade soberana em relação a um sistema centralizado são as seguintes:

Segurança

A maioria dos sistemas de identidade digital que existem hoje é centralizada. Sua operação é baseada em grandes bancos de dados centralizados que contêm milhões (ou bilhões) de registros de identidade. Devido ao seu tamanho e às informações armazenadas, esses bancos de dados são alvos de alto valor para hackers.

Se adicionarmos a isso que os dados de identidade que eles contêm são relativamente fáceis de roubar e usar, a preocupação aumenta. Os hackers são muito rápidos para atingir esses alvos porque a recompensa por um ataque bem-sucedido aumenta exponencialmente com o número de identidades mantidas naquele banco de dados. Em outras palavras, quanto mais identidades um banco de dados possui, mais vulnerável ele é e mais valioso para ataques. Além disso, um único banco de dados com backup em um único ponto significa um único ponto de falha. Se os servidores desse serviço forem atacados, isso significa que milhões de pessoas podem ser afetadas por não conseguirem acessá-lo.

Se a isso adicionarmos o fato de que esse terceiro de confiança "Salvaguarda" nossas identidades digitais têm uma falha de segurança interna, é muito seguro que nossos dados sejam vazados por mãos inescrupulosas. Este cenário parecerá muito distante da realidade, mas não é. A realidade é que acontece mais do que muitas pessoas pensam.

Por exemplo, o Facebook lida com dados de identidade e outros dados privados de seus usuários. Mas sua estrutura centralizada foi vítima de várias falhas de segurança que os hackers usaram para roubar informações. Um exemplo de falha de segurança na proteção de e-mail permitiu que hackers acessassem as informações do usuário sem consentimento.

Evite o controle por monopólios

Se houvesse uma única organização com fins lucrativos com um banco de dados que tivesse os dados de identidade de cada pessoa no planeta, ela teria o monopólio. Ele poderia cobrar preços altos pelo acesso a esses dados, e o "efeito de rede" bloquearia efetivamente os usuários na rede. Isso, por sua vez, criaria barreiras significativas à entrada de novos participantes do mercado. Na ausência de pressão competitiva, preços monopolísticos e inovação reduzida seriam prováveis.Neste ponto, sistemas de identidade soberana descentralizados são a melhor maneira de lidar com isso.

Isso se deve ao fato de que os sistemas de identidade soberana permitem:

  1. Controle total sobre os dados pelo usuário.
  2. Crie infraestruturas descentralizadas, sem censura e seguras para usar suas identidades.
  3. Aumente a privacidade do usuário.
  4. Diversificar e promover a inovação em serviços de identidade.

Restrições de acesso

Em sistemas de identidade digital, os dados armazenados são a representação de uma pessoa. No entanto, apesar de esses dados serem seus, essa pessoa enfrenta restrições para acessar os dados digitais. Ou seja, você não tem controle total dos dados, pois um terceiro decide o que a pessoa pode fazer com seus próprios dados.

Para ilustrar melhor essa situação, vejamos o seguinte exemplo:

Maria e seu falso controle de dados em um sistema centralizado

María Bermúdez, possui uma identidade digital protegida pela empresa Identidades Digitales. Mas Maria deseja deletar seus dados de identidade no banco de dados e para isso realiza o processo de deleção. A questão aqui é que a empresa “certifica” que tem o registro de identidade de Maria. Mas, ao mesmo tempo, você manteve um backup dessa identidade por motivos de segurança e monitoramento. Resumindo, a empresa não apagou completamente a identidade e os dados de Maria. Embora ela deva cumprir as evidências que recebeu da empresa sobre a "exclusão" de seus dados.

Neste ponto, podemos ver que Maria não tem acesso total aos seus dados e como gerenciá-los. Esta é uma situação frequente no mundo digital, onde as nossas identidades, reais ou não, são controladas por terceiros. Além disso, essa falta de controle oferece a possibilidade de terceiros promoverem a censura. Dessa forma, é fácil evitar que certos indivíduos usem suas identidades para acessar bens ou serviços.

Quanto você sabe, cryptonuta?

A identidade soberana pode nos permitir melhorar a maneira como interagimos com terceiros usando nossos dados?

VERDADEIRO!

A identidade soberana é uma ferramenta perfeita para nos permitir recuperar o controle de nossos dados de identidade e como outras pessoas podem acessá-los e usá-los.

Identidade soberana sobre blockchain

É interessante ver que os três problemas acima se assemelham aos problemas que o blockchain e o Bitcoin buscam resolver no mundo econômico. Mas isso não deve nos surpreender, pois é uma área que tem sido administrada sob a mesma visão do dinheiro. Identidades ou dados privados, tudo isso vale dinheiro. As empresas que se dedicam a gerenciá-los sabem melhor do que ninguém, nossos dados são suas mercadorias.

Portanto, não é surpreendente que encontremos princípios de controle semelhantes. E a solução para isso é claramente óbvia: crie sistemas descentralizados para evitá-lo. O blockchain neste ponto é um sistema perfeitamente capaz de realizar essa tarefa. E, de fato, muito do trabalho que as comunidades de desenvolvimento estão fazendo vai nessa direção. Neste ponto, é importante destacar alguns projetos de identidade soberana que estão atualmente em desenvolvimento.

NameID

Este foi um dos primeiros sistemas de identidade soberana a começar a usar o blockchain. O projeto NameID foi projetado pelos desenvolvedores de Namecoin. Este é um blockchain que visa criar um sistema de nomes de domínio descentralizado. Ou o que é o mesmo, um sistema de identificação web descentralizado e sem censura baseado em blockchain. Graças ao conhecimento e experiência adquiridos na construção do seu sistema DNS descentralizado, o Namecoin decidiu iniciar este novo projeto.

Seu nome (NameID), deriva de Namecoin + OpenID. OpenID, é um sistema de identificação federado que pode ser usado na Internet para autenticar identidades digitais. Isso cria uma camada de segurança criptográfica que permite o uso de OpenID com segurança. Dessa forma, qualquer pessoa com uma identidade Namecoin poderia usá-lo no serviço OpenID. Tudo isso de forma segura e transparente.

 Sovrin

A rede Sovrin busca desenvolver um novo padrão para identidade soberana. Seu objetivo é desenhar uma identidade soberana tão fácil de usar quanto uma carteira de motorista ou um documento de identidade.

As grandes apostas de Sovrin chamaram a atenção de muitas comunidades. Isso graças ao uso de tecnologia criptográfica, como Zero Testes de Conhecimento (ZKP) para criar um ambiente seguro.