O temido ataque de 51% é um dos perigos latentes em todas as cadeias de blocos, especialmente aqueles baseados no protocolo PoW.

LA tecnologia Blockchain desde o início teve uma fraqueza no design que seus desenvolvedores procuram evitar, é chamada Ataque de 51%. Esse ataque permite que um ou mais agentes maliciosos que controlam pelo menos 51% da rede façam o que querem com ele. Não há limites para as ações que eles podem executar no blockchain. Eles são maioria e, como tal, podem reescrever ou até executar um Ataque DoS através da rede.

Essa fraqueza está relacionada à maneira como as redes blockchain são estruturadas. Estas são apenas uma série de nós distribuído. Todos eles dirigindo um protocolo de consenso Baseia-se na confiança e no trabalho oferecidos por um grupo majoritário de participantes. Isso é para evitar que a existência de uma baixa porcentagem de nós maliciosos possa criar caos na rede.

No entanto, a história muda completamente quando atores mal-intencionados têm 51% ou mais do poder da rede. Nesse ponto, como dissemos antes, eles podem fazer o que quiserem. Daí deriva o nome do ataque, porque essa porcentagem de energia é o mínimo necessário para executá-lo.

Como esses ataques são realizados?

Realizar um ataque de 51% não é tecnicamente complexo. É suficiente ter um nó de mineração e ter a participação majoritária na rede blockchain. Isso é tudo o que é realmente necessário, e essa situação pode parecer preocupante, mas não é. Bem, o problema está em ter essa participação majoritária. Uma situação que, dependendo do blockchain, pode custar alguns milhares de dólares ou milhões.

Tomemos, por exemplo, o caso do Bitcoin. Com seu protocolo de consenso PoW e algoritmo SHA-256 Tecnicamente, é muito fácil fazer esse ataque. Existem máquinas poderosas ASIC y FPGA isso pode facilitar a tarefa de obter poder de computação. No entanto, o tamanho e o poder total de computação distribuída da rede Bitcoin dificultam o ataque. Não seriam necessárias milhares dessas equipes para realizar nosso ataque com sucesso. Uma situação que aumentaria os custos para milhões de dólares. Uma despesa econômica que pode não ser recompensada pelos lucros que o ator malicioso poderia obter por seu ataque bem-sucedido.

Mas se, em vez de Bitcoin, usarmos uma blockchain menor como LeaCoin, a história muda. Com o mesmo protocolo de consenso e a função hash Bitcoin, LeaCoin É uma blockchain pequena e facilmente acoplável. Com um poder de computação total que mal excede 1 TH / s, uma equipe ASIC atual seria suficiente e mais que suficiente para realizar esse ataque. Se o atacante pudesse tirar proveito financeiro da situação, ele seria, sem dúvida, o principal alvo. A realidade é que LeaCoin tem muito pouco valor e é considerado um shitcoin.

A história desses ataques é repetida em algoritmos como PoS y DPoS, cada um com suas dificuldades e particularidades.

Quanto você sabe, cryptonuta?

Um ataque de 51% é simples e barato?

FALSO!

51% dos ataques são bastante complexos e podem ser uma forma muito cara de ataque às criptomoedas. A verdade é que, quanto mais mineradores e pessoas participam da rede, mais complexo e dispendioso esse tipo de ataque se torna. Daí a grande vantagem de redes como Bitcoin ou Ethereum, cujo tamanho e potencial as protegem desse tipo de ação maliciosa.

Que consequências um ataque de 51% pode ter?

Primeiro, esse ataque permitiria ao invasor obter o maior número de recompensas de mineração na rede. Isso ocorre porque controla a maior parte da energia de mineração e, portanto, o sistema o recompensará proporcionalmente.

Outro caso que pode ocorrer é a capacidade do atacante de executar ataques de gastos duplos. Ou seja, a capacidade de modificar o histórico da blockchain para recuperar moedas gastas e ter a capacidade de gastá-las novamente. Essas duas primeiras ações são os principais motivos para controlar a maior parte do poder de mineração de uma blockchain. Eles permitem que você obtenha lucros completamente desonestos e ninguém pode impedi-lo desse objetivo.

Um caso mais extremo desse tipo de ataque é realizar um ataque DoS que deixa a rede fora de serviço. Tudo para afetar negativamente o ecossistema econômico da referida rede, o que levaria a milhões de perdas, dependendo do valor de mercado da criptomoeda.