Conhecida como CPU, a Unidade Central de Processamento é o cérebro dos computadores e a parte encarregada de executar os cálculos complexos necessários para a operação de toda a tecnologia de computadores.

Lcomo siglas CPU, venha do inglês e descreva o Unidade central de processamentoum Unidade Central de Processamento. Este dispositivo é um dos componentes básicos que compõem um computador pessoal. Eles são responsáveis ​​por realizar os cálculos e controlar os processos necessários para sua operação.

Durante o aparecimento de computadores antigos, esses dispositivos não eram muito poderosos. No entanto, as melhorias introduzidas levaram a uma enorme evolução para eles, algo que lhes permitiu ter atualmente uma grande capacidade de computação.

Ao começo, quando você começou a falar sobre CPU nos anos 60, eles eram grandes. Mas ao longo dos anos, o desenvolvimento tecnológico liderou o miniaturização Dos mesmos. Tudo graças à tecnologia de silício. Isso tornou possível projetar CPUs em um pequeno chip. O que conceder atualmente, que os computadores possuem um processamento de maior confiabilidade, segurança técnica e eficiência. Deve-se notar também que, no início, devido ao seu preço, tamanho e usabilidade, as CPUs eram usadas apenas nas universidades. Mas hoje, essa tecnologia está disponível para todos.

CPU no cérebro de um computador, CPU na Unidade de Processamento de Dados

CPU e criptografia - uma relação tecnológica progressiva

No começo do criptografiaNovos designs de CPU tiveram um grande papel. À medida que aumentavam seu poder, permitiam a aplicação de modelos matemáticos mais complexos. Isso se traduziu em sistemas criptográficos mais avançados, robustos e adaptáveis ​​para diferentes casos de uso. Em poucas palavras, Inicialmente permitiu a expansão e adoção de criptografia em diferentes campos de computação. Primeiro, foi aplicado nos níveis militar e empresarial. Mas com a aparência de Internet Nos anos 90, seu uso se expandiu para todos os tipos de comunicação pública.

O objetivo disso era óbvio: proteger a privacidade dos usuários na Internet. As informações que viajavam pela rede não podiam ser enviadas em texto sem formatação, de onde qualquer pessoa poderia ter acesso. Algo que foi contra os conceitos de segurança e privacidade. A favor de ambos, nasceram diferentes comunidades virtuais, mas uma delas mudaria radicalmente esse panorama. Essa comunidade era a da cypherpunks.

Essas pessoas, muitas vezes do anonimato completo, promoveram a idéia de tornar a criptografia essencial em todas as atividades online. Como resultado, os anos 90 sofreram um desenvolvimento explosivo na tecnologia de criptografia. A necessidade de desenvolvê-lo e divulgar sua adoção foi entendida. O resultado; Hoje, a maior parte do tráfego da Internet é criptografada. Um passo à frente em meio à luta pela privacidade e segurança de nossos dados públicos e privados.

Para dar um exemplo claro do relacionamento de CPUs e criptografia, podemos fazer o seguinte exemplo:

Uma CPU do início dos anos 90, não conseguiu lidar com a criptografia AES atual que vemos na Internet. No entanto, as CPUs de hoje podem lidar com isso perfeitamente e oferecer alto desempenho.

Quanto você sabe, cryptonuta?

A evolução das CPUs foi a peça chave do avanço tecnológico?

VERDADEIRO!

Graças à evolução das CPUs, o mundo da computação passou por uma enorme transformação que nos permitiu alcançar o ponto tecnológico atual. Agora podemos contar com computadores poderosos, capazes de executar cálculos matemáticos complexos com rapidez e o melhor de tudo, essa evolução ainda continua nos levando a espaços novos e inexplorados.

CPU e blockchain - O início de toda uma revolução

Assim como a evolução das CPUs ajudou o progresso da tecnologia criptográfica, elas também foram decisivas no início da tecnologia. blockchain. Inicialmente, com o aparecimento de Bitcoin , para poder fazer os cálculos matemáticos, os computadores começaram a ser utilizados, por meio da CPU. O poder deles, a princípio, foi suficiente para explorar com um alto nível de ganho.

Mas com o aumento do preço de cada bitcoin, a concorrência também aumentou e, com isso, as CPUs ficaram logo à margem. Era impossível obter uma boa margem de lucro com eles, começando a ser usados GPUs ou mesmo gadgets especializados chamados ASIC. Apesar disso, muitos projetos de blockchain foram dedicados a explorar ainda mais sua capacidade de minerar de maneira mais descentralizada. É o caso de monero ou Nerva.

No entanto, além do uso de CPUs para mineraçãoExistem muitos projetos de blockchain que os utilizam para outros usos. Um exemplo disso é a rede Golem. Esta é uma rede de computação distribuída, que usa um Token ERC-20 em Ethereum. Sua função é baseada no uso de energia da CPU daqueles que fazem parte da rede Golem. Isso para poder processar os dados que os clientes enviam para a referida rede. Como conseqüência, os usuários da rede ganham tokens Golem pelo poder de processamento emprestado. Um exemplo perfeito do que é um serviço de blockchain distribuído.

Dessa forma, apesar do fato de que dificuldade de mineração deixou para trás o poder das CPUs, existem projetos de blockchain que ainda aproveitam seu potencial único. Permitir a monetização dos grandes recursos existentes nessas redes.