Martti Malmi, é um conhecido desenvolvedor que apoiou o desenvolvimento do Bitcoin no início, a ponto de ser o encarregado de fazer este protocolo em multiplataforma, permitindo sua expansão e adoção por cada vez mais pessoas no mundo.   

UUm dos desenvolvedores menos conhecidos do mundo Bitcoin é sem dúvida Martti Malmi, mais conhecido pelo apelido sirius-m, sendo um dos primeiros desenvolvedores de Bitcoin nos primeiros tempos.

A vida de Malmi no mundo da programação começou muito jovem. Ele nasceu em 1989 e, aos 12 anos, já tinha habilidades de programação. A partir daí, sua busca pelo mundo da computação o levou a estudar Engenharia de Software na Universidade de Helsinque na Finlândia, mesma universidade frequentada pelo conhecido Linus Torvalds, criador do kernel Linux, o kernel mais utilizado pelos sistemas. operando no mundo.

Mas, além disso, sua vida privada é bastante desconhecida. No entanto, sua vida no projeto Bitcoin e suas contribuições para a comunidade de criptografia e software livre são amplamente conhecidas e aplaudidas.

Eric Hughes é bem-vindo à lista de discussão do Cypherpunk

Seu início no Bitcoin

A vida de Martti Malmi no Bitcoin começa em abril de 2009, quando Malmi se depara com um projeto pouco conhecido na Internet. Malmi imediatamente contatou Satoshi Nakamoto, enviando-lhe a conhecida mensagem:

Eu gostaria de ajudar com o Bitcoin se houver algo que eu possa fazer.

As palavras de Malmi não seriam apenas boas intenções e, com seu apoio, Satoshi Nakamoto apresentou o versão 0.2 do Bitcoin, tendo algumas das mudanças mais importantes desde o início de seu desenvolvimento. Entre eles, o suporte inicial para Linux, já que o Bitcoin foi desenvolvido primeiro para Windows, e de fato, isso deixou bem claro que Satoshi Nakamoto programou sua primeira versão do Bitcoin neste sistema operacional.

Além disso, o esforço de Malmi também levou à criação do primeiro fórum da comunidade para Bitcoin, que mais tarde se tornaria Bitcointalk, o fórum mais famoso para criptomoedas. Além disso, Malmi seria uma parte essencial na administração dos domínios da Bitcointalk e Bitcoin.org.

O trabalho de Malmi não terminou aí e, com seu esforço de desenvolvimento, ele ajudou a tornar melhores as primeiras versões do software Bitcoin. Paralelamente a isso, Malmi foi um dos primeiros mineiros de Bitcoin a ser conhecido publicamente. Na verdade, Malmi conseguiu extrair um total de cerca de 50 mil bitcoins usando seu laptop entre 2009 e 2011.

Pioneira em Bitcoin para transações fiduciárias

Um dos marcos na história do Bitcoin foi alcançado por Martti Malmi, a primeira troca de Bitcoin por fiat. Isso aconteceu em 11 de outubro de 2009, quando Malmi ajudou na criação da primeira bolsa de BitcoinO conhecido NewLibertyStandard. Naquela época, Malmi enviou um total de 5.050 BTC por um total de $ 5,05 USD que foi enviado a ele pelo PayPal. Essa troca foi classificada como a primeira troca cripto-fiat do mundo, algo que deu origem a plataformas que usamos regularmente, como o Bit2Me.

Não bastasse isso, Malmi usando seu conhecimento de Bitcoin e programação Web, começou com a criação do que seria a primeira geração de trocas de Bitcoin. O primeiro deles foi bitcoinexchange.com, que foi lançado em março de 2010 e foi apresentado no fórum Bitcointalk. Mais tarde, em abril de 2012, criou eurobtc.com, outra troca de Bitcoin que permitia a compra e venda de BTC usando transações SEPA.

Isso significa que Malmi foi pioneira na criação de bolsas e negócios que aceitavam pagamentos em Bitcoin. Na verdade, a atual empresa Malmi, SC5, é uma das primeiras empresas a aceitar pagamentos em Bitcoin e a pagar seus funcionários usando essa moeda.

Ele se afasta da comunidade Bitcoin

Apesar da variada atividade de desenvolvimento de Malmi dentro da comunidade, Malmi gradualmente se afastou da comunidade. A mudança tornou-se mais evidente com a saída de Satoshi Nakamoto do projeto, e a tomada do poder por Gavin Andresen. As palavras de Malmi para explicar sua separação foram:

Achei a atmosfera menos inspiradora e excitante do que nos primeiros dias, quando nada do potencial do Bitcoin ainda havia sido realizado. Por outro lado, a essa altura, o Bitcoin já tinha muitos programadores treinados que o manteriam funcionando.

Na verdade, sua última ação no fórum Bitcointalk data de 2012, data em que Malmi desapareceu do radar da comunidade criptográfica. No entanto, isso não significa que Malmi abandonou suas ideias de um mundo descentralizado ou de suporte a criptomoedas. Na verdade, em 2013, ela lançou um projeto específico chamado Identifi, um sistema descentralizado de identidade digital e reputação. Um projeto que atualmente está integrado ao seu desenvolvimento mais recente, íris, um sistema de comunicação descentralizado, com criptografia ponta a ponta e capacidade multiplataforma. Outro projeto que saiu de seu trabalho foi a startup MONI, que criou um aplicativo para gerenciar um cartão de débito pré-pago com alcance em toda a Europa.

Por outro lado, Martti Malmi também ajudou no desenvolvimento do Pistola, um projeto focado na sincronização e armazenamento rápido de dados em redes distribuídas, totalmente seguras e privadas.

Hoje, Martti Malmi continua liderando sua empresa SC5, de onde trabalha na criação do Iris. Ele também está focado no desenvolvimento de sua startup MONI. E, embora ele tenha ficado longe da comunidade Bitcoin, seu compromisso com as criptomoedas permanece claro:

Bitcoin é a forma mais conveniente de pagar online.