Os blocos são os blocos de construção de um blockchain e têm certas características que os diferenciam uns dos outros. Aprenda sobre eles e entenda um pouco mais sobre como funciona toda a tecnologia que possibilita as criptomoedas.

DDesde a criação da tecnologia blockchain, uma parte importante disso são os tipos de Bloques e suas características. Isto é porque os blocos são os blocos de construção da história do blockchain. Daí a importância de conhecer os tipos de blocos que existem, a fim de identificá-los com sucesso e entender seu papel na tecnologia de blockchain.

É por isso que o seguinte artigo se dedica a explicar de forma simples os 3 tipos de blocos que existem nas diferentes cadeias de blocos.

Tipos de blocos em blockchain

Bloco de gênese

Un bloco de gênese Ele se torna o primeiro bloco de um blockchain, daí seu nome porque é o “gênese”Daquele blockchain. Esses blocos são a base de todas as cadeias de blocos e o início de sua história futura. O primeiro bloco de gênese de todo o mundo criptográfico foi minado por Satoshi Nakamoto na criação de Bitcoin . Este fato foi tornado público no dia Janeiro 3 2009, quando Nakamoto lançou sua ideia. Ele deu início a uma revolução tecnológica global, que continua a evoluir até hoje.

A existência do bloco genesis permite que o blockchain comece a criar seu histórico de operações ou relações. O referido bloco fundamental permite que o novo bloco criado seja associado a um estado anterior. Por meio dessa associação, o blockchain pode garantir sua imutabilidade. Isso graças ao uso de tecnologia como árvore de merkle. Isso permite associar o histórico do bloco a um hash único atribuível a esses blocos. Qualquer alteração, por mínima que seja, impede a verificação do Raiz Merkle (Raiz Merkle) está correto invalidando parte ou todo o histórico do blockchain de acordo com o caso.

Além disso, o bloco de gênese tem uma função importante em permitir a sincronização do nós da rede. A sincronização só é possível quando os nós possuem o mesmo bloco de gênese em seus bancos de dados. Isso garante que o livro de transações distribuídas do blockchain seja o mesmo para todos os fornecedores de segurança.

Nesse sentido, podemos ver o bloco de gênese como "A pedra angular" de toda a tecnologia blockchain. Portanto, cada blockchain tem um bloco genesis, todos eles têm este "pedra angular" em sua história.

Blocos válidos

Blocos válidos são todos aqueles blocos que foram extraídos e foram incluídos no blockchain. Para fazer isso, cada bloco minado deve passar pelo consentimento da rede e relatar como um bloco que conseguiu resolver o quebra-cabeça criptográfico atribuído. Assim que a rede chega a um consenso, o bloco é incluído no blockchain e propagado por todos os seus nós. Desta forma, cada nó da rede possui o novo bloco e serve como ponto de verificação para o mesmo.

Esses blocos são o que permitem a operação do blockchain e suas transações. Cada bloco válido carrega dentro de si uma série de transações que são validadas junto com aquele bloco. Por exemplo, no Bitcoin, cada bloco válido carrega um média de 2100 transações em sua estrutura. Desta forma, cada transação incluída no bloco válido torna-se uma transação confirmada. A partir de então, cada bloco válido adicionado ao blockchain continua a confirmar as transações anteriores. Isso permite que cada transação e bloco na rede sejam totalmente protegidos.

Obviamente, cada bloco válido é acompanhado por uma estrutura de dados que permite verificar esse fato. Na estrutura está o de hash do bloco, a raiz Merkle, o timestamp, o núncio, os dados de transação do bloco e o coinbase. Tudo isso organizado de forma que cada informação possa ser verificada publicamente.

Relação entre os diferentes blocos de uma blockchain

Quanto você sabe, cryptonuta?

Os blocos órfãos são de alguma forma parte de um blockchain?

FALSO!

Os blocos órfãos, apesar de serem resolvidos com sucesso pelos mineiros dentro de um blockchain, não fazem parte do blockchain em si. Em vez disso, eles são considerados blocos não em cadeia e são organizados no que é conhecido como um pool de blocos órfãos. Desta forma, todas as informações que ele contém se tornam irrelevantes para o blockchain e para toda a rede em geral.

Blocos órfãos

Blocos soltos ou órfãos são blocos válidos que não fazem parte do blockchain. Isso geralmente ocorre quando dois mineradores produzem blocos quase ao mesmo tempo ou podem ser causados ​​por um invasor com poder de hash suficiente tentando reverter uma transação. Nesse momento, o protocolo de consenso da rede entra em ação para decidir qual bloco será validado (incluído na cadeia) e qual ficará órfão.

A realidade é que a rede programou que o blockchain sempre decidirá sobre o blockchain mais longo. Ou seja, aquele que contém mais informações ou transações processadas. Este meio de proteção acaba sendo muito simples e eficaz para resolver este problema.

Blockchain.com mostrando os blocos órfãos no blockchain Bitcoin

Por exemplo, suponha que um cibercriminoso decidiu atacar a rede Bitcoin e criar um conveniente garfo. Para fazer isso, comece a minerar blocos a fim de obter o compensar de 6,25 BTC de cada bloco. Isso, ao mesmo tempo, gera um fork da rede que é conveniente para ele porque terá seus novos blocos.

Isso permitirá que você use os fundos obtidos posteriormente de forma maliciosa. Para conseguir isso, o invasor apenas se envolve em minar blocos brutos de transações de rede. Desta forma, cada bloco que você mina tem apenas a base de moedas e nada mais. A rede detecta esses blocos duplos e verifica: Quais deles têm mais informações? Quais têm mais transações? Aqui, o atacante perde o jogo, pois a rede decidirá inequivocamente sobre os blocos maiores.

Claro, se o invasor alcançar obter mais de 50% do poder de mineração você pode reverter isso, mas não precisa desse poder para calcular um bloco órfão. É algo que acontece o tempo todo e são os protocolos de consenso da rede que nos protegem deles.

Blocos órfãos podem ser rastreados em exploradores de blocos. Por exemplo, Blockchain.com tem essa funcionalidade interessante.